Saiba mais sobre Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação.

A DeSTDA – Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação é uma declaração que instituída para as empresas ME e EPP optantes pelo SIMPLES NACIONAL quando as mesmas estão responsáveis pelo recolhimento do ICMS de acordo com as alíneas “a”, “g” e “h” dispostas no inciso XIII do § 1º do art. 13 da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. A DeSTDA foi instituída pelo Ato Cotepe/ICMS nº 47, de 04 de dezembro de 2015 e pelo Ajuste SINIEF Nº 12,de 04 de Dezembro de 2015, e a sua autorização esta disposta no art. 69-A da Resolução CGSN nº 94, de 29 de novembro de 2011.

             O contribuinte deverá utilizar a DeSTDA para declarar o imposto apurado referente a:

I – ICMS retido como Substituto Tributário (operações antecedentes, concomitantes e subsequentes);

II – ICMS devido em operações com bens ou mercadorias sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal;

III – ICMS devido em aquisições em outros Estados e no Distrito Federal de bens ou mercadorias, não sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual;

IV – ICMS devido nas operações e prestações interestaduais que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte do imposto.

            Estão obrigados a apresentar a DeSTDA PARA OS FATOS A PARTIR DE 1º de Janeiro de 2016 os contribuintes optantes pelo SIMPLES NACIONAL, exceto:

I – os Microempreendedores Individuais – MEI;

II – os estabelecimentos impedidos de recolher o ICMS pelo Simples Nacional em virtude de a empresa ter ultrapassado o sublimite estadual, nos termos do § 1º do art. 20 da LC n. 123/2006.

A obrigatoriedade estabelecida no caput desta cláusula aplica-se a todos os estabelecimentos do contribuinte, para a UF de origem e para cada UF em que o contribuinte possua inscrição como substituto tributário – IE Substituta ou obtida na forma da cláusula quinta do Convênio ICMS 93/15, de 17 de setembro de 2015.
No caso de fusão, incorporação ou cisão, a obrigatoriedade de que trata o caput se estende à empresa incorporadora, cindida ou resultante da cisão ou fusão.
Mediante legislação específica, os estados e o Distrito Federal poderão dispensar seus contribuintes da obrigação de que trata o caput, referente a declaração de seu interesse, permanecendo a obrigação de transmissão às demais unidades federadas. A dispensa concedida pelos estados ou o Distrito Federal poderá ser revogada a qualquer tempo por ato administrativo da unidade federada em que o estabelecimento estiver inscrito.
O arquivo da digital da DeSTDA devera ser gerado por sistema especifico de acordo com leiaute definido no Ato Cotepe/ICMS nº 47, de 04 de dezembro de 2015 contendo o valor do ICMS relativo à Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação correspondente ao período de apuração, declarado pelo contribuinte. Os arquivos deverão ser individualizados por estabelecimento quando o contribuinte possuir filiais.

A transmissão dos arquivos da DeSTDA será realizada pelo próprio aplicativo de geração da declaração e, a critério da unidade federada, sua recepção poderá ser feita, alternativamente:

por meio de Webservice desenvolvido pela respectiva unidade federada;
pelo Programa de Transmissão Eletrônica de Documentos – TED disponibilizado pela Secretaria da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul – SEFAZ RS.
O prazo para envio da declaração é até o dia 20 (vinte) do mês subsequente ao encerramento do período de apuração, ou quando for o caso, até o primeiro dia útil imediatamente seguinte. Em caso de retificação esta poderá ser feita até o prazo de vencimento independentemente de autorização e após este prazo de acordo com os critérios estabelecido pela unidade federada à qual deva ser prestada a informação.

A retificação será efetuada mediante o envio de arquivo para substituição integral do arquivo anterior observado o disposto nas cláusulas sétima e décima do AJUSTE SINIEF 12, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015, com indicação da finalidade do arquivo não sendo permitido o envio de arquivo complementar.

Obs.: o prazo para envio das declarações referentes ao período de 01/2016 a 06/2016 foi prorrogado para 20 de agosto de 2016 de acordo com Cláusula primeira do AJUSTE SINIEF 07, DE 8 DE ABRIL DE 2016 que alterou a cláusula décima primeira do Ajuste SINIEF 12/15, de 4 de dezembro de 2015.

Base legal:

AJUSTE SINIEF 12, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015

ATO COTEPE/ICMS 47, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015

AJUSTE SINIEF 07, DE 8 DE ABRIL DE 2016

LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011

Contabilidade Papyrus

Comente no Facebook

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Anúncios
1