Saiba o que causa e agrava a Azia

Algumas atitudes, como fumar, afetam o estômago e agravam o quadro de azia

A presença da sensação constante de queimação, conhecida como azia, causa desconforto para milhares de brasileiros. O médico e Mestre em Ciências da Saúde, Tasso Carvalho, explicou que a azia pode ser consequência de uma série de condições.

O que agrava a azia?

Segundo o Dr. Tasso, algumas atitudes, como fumar, afetam o estômago e agravam o quadro de azia. “Os estudos científicos que utilizaram métodos diagnósticos como endoscopia digestiva alta evidenciaram forte relação entre o tabagismo e esofagite levando a azia”.

Além de fumar, o médico afirmou que deitar logo após as refeições podem agravar os sintomas da doença. “Manter a posição ereta logo após se alimentar por cerca de pelo menos 30 minutos é recomendado para pessoas que sofrem com azia, uma vez que evita refluxo gastro-esofagico. Para as pessoas que possuem a Doença do Refluxo Gastro-esofágico, recomenda-se dormir com a cabeceira levemente elevada.”

Carvalho informou que ainda não há comprovações científicas ou evidências robustas para a ideia de que o jejum estimula a vasoconstrição e gera azia. “É comum que haja piora do sintoma naqueles que já possuem doença do refluxo gastro-esofágico ao fazerem jejuns prolongados, maior que 14 horas. Por outro lado, não há evidência de que o jejum prolongado, em pacientes previamente hígidos e com dieta adequada, cause azia”.

A azia tem cura?

Conforme o profissional da saúde, os sintomas da azia costumam ser amenizados ou desaparecerem com o uso de medicamentos, que são receitados pelo médico. “Na maioria dos casos, utiliza-se antiácidos para resolver esse sintoma causado pelo refluxo de ácido do estômago para o esôgafo.”

O médico também disse que identificar as causas da azia para evitar que o sintoma evolua para um problema mais grave é extremamente importante. Por isso, ter atendimento médico logo no início dos sintomas é essencial.

Por Tasso Carvalho, Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-graduação Strictus Sensus da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e é médico pela pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP). 

Comentários estão fechados.