Saiba os aspectos tributários que precisam ser observados na constituição e manutenção das Holdings familiares?

Diversos aspectos tributários devem ser considerados e observados na constituição e manutenção de uma holding familiar, a fim de que não haja prejuízos financeiros!

Antes de constituir uma holding familiar, é indispensável a análise dos aspectos tributários envolvidos na sua constituição e manutenção.

Por exemplo, tem-se que considerar a incidência ou não dos seguintes tributos: ITCMD – imposto de transmissão causa mortis e doações; ITBI – imposto de transmissão de bens intervivos; e IR – imposto de renda.

Sobre o ITCMD, tem-se que, por meio das holdings familiares, poderão ser feitas doações de ações ou quotas da sociedade ainda em vida. E, sobre os atos de doação, incide o ITCMD, previsto no artigo 155, inciso I, da Constituição Federal. Tendo em vista que se trata de imposto estadual, a alíquota varia em cada Estado.

Entretanto, no Estado de São Paulo temos a Lei n.º 10.705/2000, que prevê, em seu artigo 6º, inciso II, alínea a, que o ITCMD não precisará ser pago, quando a transmissão por doação não ultrapassar 2.500 (duas mil e quinhentas) UFESPs. Destaca-se que o valor de 2.500 UFESP’s, no ano de 2022, é de R$79.925,00 (setenta e nove mil e novecentos e vinte e cinco reais).

Dessa forma, se as doações forem feitas, a cada ano, no limite de R$79.925,00, não haverá a incidência de ITCMD, o que pode ser muito vantajoso. Contudo, caso as doações sejam em valores superiores, haverá a incidência deste imposto.

Por sua vez, o ITBI, tributo municipal, está previsto no artigo 156, inciso II, da Constituição Federal. 

Sobre este tributo, deve-se considerar que, apesar de a integralização do capital da empresa ser fato gerador de ITBI, a Constituição Federal previu que a integralização do capital social da empresa por meio de um imóvel é imune e, assim, não incide ITBI, exceto se a atividade preponderante do adquirente for a compra e venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil.

Assim, poderá incidir ou não o ITBI na integralização do capital com bens imóveis, dependendo da atividade preponderante da empresa. Em suma, se a atividade preponderante for de locação de imóveis ou a compra e venda dos bens imóveis integralizados, não haverá imunidade e incidirá o ITBI.

Ainda, é necessário mencionar que, no Recurso Extraordinário n.º 796.376, de Santa Catarina, o STF entendeu que “sobre a diferença do valor dos bens imóveis que superar o capital subscrito a ser integralizado, incidirá a tributação pelo ITBI”. Em outras palavras, sobre o valor dos bens que exceder o limite do capital social a ser integralizado incidirá ITBI.

Com relação ao Imposto de Renda na constituição da holding, necessário fazer algumas ponderações.

A Lei n.º 9.249/1995, dispõe, em seu artigo 23, “caput” e §2º que “As pessoas físicas poderão transferir a pessoas jurídicas, a título de integralização de capital, bens e direitos pelo valor constante da respectiva declaração de bens ou pelo valor de mercado. (…) § 2º Se a transferência não se fizer pelo valor constante da declaração de bens, a diferença maior será tributável como ganho de capital (grifo nosso).

Assim, “a condição primordial para a incidência desse imposto nessas hipóteses é que o bem seja transferido por valor superior ao que constar como custo de aquisição na declaração de IR do proprietário original (…)”. [1]

Entretanto, quando há “a integralização de bens pelo valor de custo e não de mercado, embora se evite a tributação nesse ato, é possível que, no futuro, um custo maior seja imposto à pessoa jurídica, em prejuízo ao patrimônio de seus sócios”. [2]

Portanto, conclui-se que diversos aspectos tributários devem ser considerados e observados na constituição e manutenção de uma holding familiar, a fim de que não haja prejuízos financeiros.

[1] SILVA, Fabio Pereira da; ROSSI, Alexandre Alves. Holding familiar: visão jurídica do planejamento societário, sucessório e tributário. São Paulo: Trevisan Editora, 2015. p. 143-144.

[2] SILVA, Fabio Pereira da; ROSSI, Alexandre Alves. Holding familiar: visão jurídica do planejamento societário, sucessório e tributário. São Paulo: Trevisan Editora, 2015. p. 146.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Rubens Leite, advogado e sócio-gestor da RGL Advogados e especialista em LGPD; Ana Carolina Galvão é advogada na RGL Advogados

Comentários estão fechados.