Saiba qual o melhor regime tributário para advogados

0
696

Sabemos que cada empreendimento tem suas particularidades. O que parece ser bom para um determinado segmento, pode não ser tão vantajoso para outro. Levando em consideração esse fato, é de extrema importância fazer uma análise criteriosa da atual situação do negócio e, com base nela, escolher o melhor regime tributário, aquele que mais se enquadra à atividade que você exerce. Essa decisão deve ser tomada no início do ano e só poderá ser alterada ao término dos 12 meses. Portanto, se a escolha for equivocada pode trazer resultados negativos durante todo esse período. Fique atento!

Vantagens do regime tributário adequado

Por meio de um bom planejamento, é possível escolher o melhor regime tributário para o seu escritório de advocacia. Essa decisão, quando tomada de forma consciente e correta, resulta em grandes vantagens para o negócio. Entre elas estão a redução significativa dos tributos a serem pagos, aumento de lucro e segurança financeira ao empreendimento. Além de fazer com o seu escritório trabalhe de acordo com a legislação brasileira. Isso evitará contratempos com fiscalizações e gastos desnecessários com impostos.

Qual o melhor regime para advogados?

Chegamos ao tópico que mais interessa a você. Hoje, na maioria dos casos, o melhor regime de tributação para os advogados é o Simples Nacional. Como o nome já diz, o cálculo e o pagamento dos tributos são realizados de maneira mais simplificada, se compararmos aos outros regimes. A arrecadação dos impostos, por exemplo, é feita de forma única, por meio de uma só guia. Trata-se do DAS (Documento de Arrecadação do Simples). Nele, já estão inclusos todos os tributos que deverão ser pagos pelo advogado. Nessa opção, a alíquota inicial é de 4,5% e pode chegar a 16,90%, de acordo com o faturamento anual do seu escritório, que, nesse caso, não pode ultrapassar os R$ 4,8 milhões.

Já os outros dois regimes tributários são bem mais complexos e burocráticos. No Lucro Presumido, por exemplo, a apuração do Imposto de Renda (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL), tem como base de cálculo uma margem de lucro presumida pela legislação. Essa presunção, que é feita de acordo com a receita bruta e segmento do negócio, é de 32% para quem presta serviço, no caso dos advogados.

Por fim, temos o Lucro Real, geralmente indicado para os empreendimentos com  faturamento mais elevado. Nele, o Imposto de Renda (IRPJ) e a Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL) são calculados sobre o lucro líquido do negócio.

Concluindo…

Vale lembrar que essas são as informações básicas sobre os regimes tributários. Cada um deles tem regras e impostos específicos e, por isso, é fundamental estar a par de todos eles para fazer a melhor escolha. Como podemos ver, o processo é muito técnico e requer conhecimento aprofundado. Nesse caso, aconselhamos que você contrate uma assessoria tributária eficiente, que possa ajudá-lo a tomar a decisão mais assertiva e formalizar o seu negócio.

Dica: Atenção você contador ou estudante de contabilidade, conheça nosso treinamento voltado para contadores iniciantes, ensinando na prática procedimentos contábeis que todo contador precisa saber, mas que não se ensina na faculdade.

Tudo que você precisa saber para saber para abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs, Contabilidade, Imposto de Renda. Quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade!

Conteúdo via HS Contábil