Senador questiona teorias da conspiração contra Trump e o ataque de 6 de janeiro

0

O Senado realizou ontem sua primeira audiência pública sobre a violenta rebelião no Congresso dos Estados Unidos e, quando o processo chegou ao fim, a senadora Amy Klobuchar, do estado de Minnesota, publicou uma notável mensagem online.

“No final de nossa audiência”, escreveu o democrata de Minnesota, “quero deixar uma coisa clara: ‘provocadores’ não invadiram o Congresso. Eles não eram ‘falsos seguidores do Trump’. O clima em 6 de janeiro não era ‘festivo’. Isso é desinformação.”

Havia uma razão, é claro, para que Klobuchar precisasse fazer tal declaração: um de seus colegas de extrema direita acabara de usar a audiência para promover essa exata desinformação.

Como Vox explicou:

“Um dos republicanos que empurrou “a grande mentira” sobre a eleição de 2020, ou seja, que a vitória do presidente Joe Biden foi ilegítima, usou a primeira audiência no Congresso sobre a violenta tentativa de 6 de janeiro de derrubar a derrota de Donald Trump para aumentar uma incrível teoria da conspiração destinada a exonerar Trump e seus apoiadores de qualquer responsabilidade. Esse senador, Ron Johnson de Wisconsin, usou seu tempo de interrogatório durante a audiência no Senado de terça-feira para ler trechos de um artigo de 14 de janeiro publicado pelo Federalist que argumenta que “agentes provocadores” e “falsos manifestantes pró Trump” estavam por trás do ataque ao Congresso, em vez do que os verdadeiros apoiadores de Trump, como era o caso.”

Teoria da Conspiração

Johnson, o ex-presidente do Comitê de Segurança Interna do Senado, poderia ter usado seu tempo durante a audiência para questionar as testemunhas e obter informações valiosas.

Em vez disso, o republicano de Wisconsin gastou muito de seu tempo lendo um post publicado em um blog de extrema direita, como parte de um esforço maior para argumentar que o motim pró-Trump não deveria necessariamente ser atribuído aos manifestantes pró-Trump.

Em seguida veio Ron Johnson, argumentando que a rebelião planejada pode não ter realmente sido planejada, como parte de um esforço desajeitado para minimizar a gravidade da violência, após isso Johnson veio tentando redirecionar a culpa pelo ataque para, dentre todas as pessoas, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, estado da Califórnia.

Caso isso não seja óbvio, os últimos esforços retóricos do senador republicano não estão apegados à realidade.

Designed by @yanalya / freepik
Designed by @yanalya / freepik

Apesar do que Johnson pode ter lido em um blog de direita, os apoiadores de Trump realizaram o ataque de 6 de janeiro.

Sabemos que isso é verdade, não apenas por causa das testemunhas que testemunharam ontem, mas também por causa das acusações criminais apresentadas contra aqueles que cometeram a violência.

Afinal, o atual senador representa um dos estados mais competitivos do país, onde será candidato à reeleição no próximo ano.

O senso comum sugere que ele gostaria de ser visto como um senador responsável e eficaz, não um teórico insensato da conspiração cuja hostilidade em relação aos fatos o tornou motivo de piada.

Talvez Johnson não pretenda tentar um terceiro mandato, ficando livre para fazer o que quiser, ou talvez esteja convencido de que o segredo para o sucesso é impressionar o maior número possível de eleitores de extrema direita.

Mas vamos focar na questão principal: Johnson faz parte de um esforço republicano maior para reescrever a história do ataque do mês passado ao Congresso norte-americano.

O senador vê claramente valor político em tentar desviar a percepção pública do que realmente aconteceu, eventos que fazem Donald Trump e seus apoiadores mais violentos parecerem monstruosos, e em direção a uma realidade alternativa que os partidários podem achar mais satisfatória ideologicamente.

E por mais distorcidas e não saudáveis que sejam essas táticas, elas parecem estar tendo o efeito pretendido: uma pesquisa da Suffolk University / USA Today divulgada esta semana revelou que a maioria dos eleitores de Trump acredita que o motim de 6 de janeiro foi “principalmente um ataque inspirado em antifascista que envolveu apenas alguns apoiadores de Trump.”

Conteúdo traduzido da fonte MSNBC por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil