Simples Nacional: Como escolher o código de situação da operação no regime?

Saiba quais são as diferenças entre códigos utilizados e quais são as consequências para quem cometer erros ao emitir as notas fiscais.

O Código de Situação da Operação de Simples Nacional (CSOSN) é uma lista enumerada de operações de uma empresa, que determina os requisitos tributários para cada situação, quando o negócio está classificado no regime do Simples Nacional.

Essa classificação é de suma importância, pois de acordo com as adaptações realizadas no Sistema Nacional Integrado de Informações Econômico-Fiscais, o CSOSM deverá ser incluído na Nota Fiscal Eletrônica de Produtos (NF-e), na Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica e no Cupom Fiscal Eletrônico.

Normas estabelecidas para o uso do código

As normas são determinadas pelo Ajuste SINIEF 07/05 de 30 de setembro de 2005 do Sistema Nacional Integrado de Informações Econômico-Fiscais, divulgado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária. 

Geralmente, o mesmo deve ser utilizado na Nota Fiscal Eletrônica quando o Código de Regime Tributário for igual a “1”, trocando os códigos da Tabela B (Tributação) pelo ICMS do Anexo Código de Situação Tributária (CST) do Convênio SINIEF S/N, de 15 de dezembro de 1970.

Quais são os códigos CRT que podem ser usados no documento fiscal?

Acompanhe a seguir, os códigos CRT utilizados no documento fiscal:

  • CRT 1 : Para que escolheu o Simples Nacional;
  • CRT 2 : Para quem escolheu o Simples Nacional que ultrapassou o sublimite fixado de receita bruta  e não pode recolher pelo regime simplificado;
  • CRT 3 : Para quem escolheu o regime normal (outros regimes tributários).

Como podemos diferenciar o CSOSN do CST?

O CSOSN é usado por empresas que escolheram o Simples Nacional para mostrar a origem do produto, juntamente com o regime de impostos.

O Código de Situação Tributária (CST) é usado por empresas que escolheram o Lucro Real ou o Lucro Presumido.

Importante: Os dois códigos determinam a condição tributária do produto comercializado pela empresa, ou seja, apontam se a tributação será do tipo padrão, isenta ou terá diminuição na base de cálculo.

Quais são as consequências para quem erra ao selecionar o código?

O momento de selecionar o CSOSN para emitir as notas fiscais exige muita atenção, pois essa documentação é usada pelo governo como base para determinar como será feita a cobrança de impostos. 

Falhas no momento de selecionar o CSOSN podem causar problemas fiscais, como: pagamento incorreto de tributos, ou até mesmo multas.

Um equívoco muito recorrente é a rejeição 600, o mesmo acontece quando a empresa emite uma Nota Fiscal Eletrônica para um destinatário que não contribui com o ICMS usando um código diferente das alternativas 102, 103, 300, 400 e 500.

O que o empresário pode fazer para que esses erros sejam evitados?

Para evitar dores de cabeça futuras é recomendado que o empresário contrate um contador de confiança. Ele saberá cuidar dessa parte da empresa.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.