Os impactos da pandemia do novo coronavírus foram nítidos para diversos segmentos.

Entretanto, um que causou mais debates foi o fechamento de empresas por determinado tempo, até que houvesse o reconhecimento da situação, e medidas de combate e prevenção puderam ser implantadas.

Neste meio tempo com as atividades suspensas, a manutenção das contas básicas se tornou uma enorme dificuldade para muitos empreendimentos, sem contar a contribuição dos impostos, que afetou, sobretudo, as empresas de micro e pequeno porte. 

O prazo para pagamento de impostos é estabelecido perante a Lei, e o não cumprimento dos mesmos, pode acarretar em altos juros e multas, agregando dívidas ainda maiores aos caixas das empresas.

Neste sentido, o Governo Federal disponibilizou algumas alternativas visando auxiliar a manutenção das despesas destas empresas, como a opção de solicitar o parcelamento do Simples Nacional

De acordo com o advogado tributarista, Edson Oliveira, ao realizar o pagamento dos impostos atribuídos ao Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), a empresa evita a exclusão perante o referido regime tributário, perdendo todas as vantagens oferecidas por ele.

“Caso a empresa já tenha sido excluída, o pagamento possibilita a reinserção no programa”, explicou. 

Parcelamento Simples Nacional

Como funciona o parcelamento do Simples Nacional 

Empresas de todos os segmentos, desde que sejam regidas pelo Simples Nacional, podem solicitar essa opção para quitar os tributos em atraso.

Entretanto, é preciso se enquadrar em alguns requisitos para ter direito à modalidade.

O empresário pode escolher uma das seguintes opções de parcelamento: 

  • Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional (PERT-SN); 
  • Parcelamento convencional; 
  • Parcelamento Especial;
  • Parcelamento dos Débitos Inscritos na Dívida Ativa. 

Entretanto, é preciso se inteirar sobre algumas regras para estar apto a uma das quatro modalidades de parcelamento das dívidas.

Um exemplo se trata da permissão para dividir os débitos de duas a 60 prestações, desde que o valor mínimo de cada uma seja de R$ 300,00.

Na oportunidade, o especialista destaca que, não é uma escolha do empreendedor a quantidade de parcelas.

Esta atividade é realizada automaticamente pelo próprio aplicativo do Fisco, responsável foi calcular e apresentar o maior número de parcelas possíveis, considerando o valor mínimo estabelecido. 

Em contrapartida, existem alguns aspectos que podem resultar no cancelamento na negociação da dívida.

É o caso do não pagamento da primeira parcela; quando três parcelas, sejam elas consecutivas ou não, não são quitadas, bem como, a existência de saldo devedor posterior ao pagamento da última parcela. 

“Em caso de desistência do parcelamento pelo empreendedor, ele só poderá solicitar essa modalidade no ano seguinte.

Por isso, é importante que o empresário procure o seu advogado de confiança para sanar todas as dúvidas”, informou o advogado tributarista, Edson Oliveira. 

DICA EXTRA JORNAL CONTÁBIL: Imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

O nosso parceiro Viver de Contabilidade criou um programa completo que ensina tudo que um contador precisa saber no dia a dia, Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa da Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laura Alvarenga