Simples Nacional: Como ter direito a recuperação de créditos tributários?

Veja como uma empresa pertencente ao regime do Simples Nacional pode ter direito a recuperação de créditos tributários.

O Simples Nacional é um regime tributário muito popular, mas alguns temas envolvidos nesse regime tão querido pelas micro e pequenas empresas não são muito discutidos.

Quando falamos de alguns temas envolvendo o regime simplificado ainda existem muitas dúvidas, principalmente quando falamos de recuperação de créditos tributários, pois se trata de um benefício recente.

Algo que motiva as poucas discussões sobre esse tema é a complexidade da legislação tributária, a recuperação de créditos tributários para empresas do Simples Nacional causa medo de que erros aconteçam, mas hoje nós vamos te ajudar.

Acompanhe este artigo e se informe sobre como essa recuperação funciona.

Recuperação de créditos tributários, o que é isso?

A recuperação de créditos tributários é uma solução que é aplicada às empresas que são tributadas pelos regimes tributários do Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido, a Revisão de tributos federais que vai identificar oportunidades tributárias que não foram observadas pela empresa.

A recuperação de crédito é uma análise das bases de cálculo, alíquotas e apurações dos seguintes tributos:

  • IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica);
  • CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido);
  • PIS (Programa de Integração Social);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

A análise feita é dos últimos cinco anos de escrituração contábil da empresa, de acordo com a legislação fiscal vigente e as boas práticas do Compliance Tributário.

Todo esse trabalho, incluindo a posterior qualificação dos valores e a assessoria na compensação dos tributos, é feito de forma integral pela própria empresa.

Recuperação de créditos para empresas do Simples Nacional

As empresas do Simples Nacional têm direito a recuperação tributária, para isso deve ser realizado um planejamento tributário, para que as empresas do Simples Nacional possam ter direito a esses valores.

É o planejamento tributário que vai identificar possíveis valores e se há direitos adquiridos em relação aos impostos pagos a maior.

Na substituição tributária, o Fisco determina quanto deve ser ajustado o valor para cálculo do tributo, e além do ICMS próprio da operação, cobra o ICMS-ST para toda a operação realizada: 

Por exemplo:

Se o valor de um produto é de R$ 400,00 para o consumidor final, o industrial paga o ICMS sobre este valor, mesmo tendo vendido ao distribuidor por R$ 150,00. Ou seja, quando o distribuidor vende para o comerciante, não deveria recolher o ICMS novamente, o mesmo acontece quando o comerciante vende para o consumidor final.

Porém, em 2014, a Lei Complementar de número 147, de 2014, alterou a Lei Complementar 123, de 2006, possibilitando a retirada da base de cálculo de ICMS e PIS/COFINS, respectivamente, a receita de venda de produtos sujeitos ao regime de Substituição Tributária e monofásico nas empresas do Simples Nacional.

Com isso, as empresas do Simples Nacional que comercializam produtos incluídos na substituição tributária e no PIS/COFINS, têm o direito de recuperar os impostos que foram pagos a mais nos últimos cinco anos.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.