Simples Nacional: Empresas inativas precisam entregar a DEFIS?

0

A Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS) precisa ser enviada à Receita Federal até o dia 31 de maio, no entanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre quem deve entregar este documento.

Esse é o principal questionamento feito por gestores de empresas consideradas inativas e que são optantes pelo Simples Nacional.

Então, para te explicar como funciona DEFIS e se as empresas que estão inativas também possuem a obrigação de enviar esse documento, continue acompanhando. 

O que é DEFIS?

É através deste documento que os órgãos tributários fazem a fiscalização das informações financeiras e fiscais das empresas.

Os dados também são relevantes para os órgãos responsáveis por fiscalizar o pagamento dos tributos estaduais e municipais.

Desta forma, qualquer tipo de irregularidade é identificada a partir da DEFIS.

Assim, a escrituração desse documento é obrigatório no processo de contabilidade das empresas ME (microempresa) e EPP (empresas de pequeno porte) que são optantes do regime de tributação Simples Nacional, que devem utilizar a declaração para informar os seguintes dados: 

  • Informações sobre Ganho de Capital;
  • Quantidade de empregados; 
  • Doações para a campanha eleitoral;
  • Valor do lucro contábil, caso mantenha escrituração contábil;
  • Rendimentos dos sócios, inclusive rendimentos isentos de IR; 
  • Percentual de participação do sócios no capital social da empresa; 
  • Ganhos líquidos auferidos em operação de renda variável; 
  • Informações sobre a receita de exportação direta, caso tenha informado no PGDAS;
  • Informações sobre a receita de exportação auferidas por meio de comercial exportadora, nesse caso, informar CNPJ da empresa comercial exportadora;

E quando a empresa está inativa? 

A empresa inativa é aquela que não possui nenhum tipo de movimentação durante o ano, seja financeira, patrimonial, operacional ou não operacional.

No entanto, ela pode ter feito o pagamento de tributos correspondentes à declaração de anos-calendário anteriores. 

Então, ressaltamos que essas empresas também devem apresentar a DEFIS por se tratar de uma declaração anual.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Assim, mesmo sem faturamento no ano-exercício anterior ou alterações patrimoniais, a declaração é utilizada para acompanhar o desenvolvimento do empreendimento e comprovar que no ano-calendário o valor da receita foi igual a zero. 

Desta forma, é possível informar ao Fisco que a empresa estava inativa e, portanto, ficará isenta de certas obrigações acessórias, principalmente aquelas que são mensais e diárias.

Lembre-se que a exceção para a apresentação da DEFIS é o Microempreendedor Individual (MEI). 

Como enviar a DEFIS? 

Agora que sabemos que a empresa inativa também deve apresentar a DEFIS e sabemos da importância deste documento, não deixe para fazer a escrituração em última hora. 

Para enviar todos os dados necessários, acesse o PGDAS (Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional), através do portal do Simples Nacional. 

Feito isso, escolha a  opção de declaração de acordo com a necessidade. Dentre elas está a DEFIS Original que é utilizada para a apresentação da primeira declaração; além da Declaração de Situação Normal, que deve ser escolhida por quem já tenha preenchido o documento anteriormente.

Caso haja a necessidade de fazer correção nas informações enviadas pela empresa inativa, também é possível usar a Declaração Retificadora. 

Penalidades

Vale lembrar ainda que as empresas inativas que deixam de enviar a declaração também podem sofrer prejuízos.

Mesmo que a omissão desta obrigação acessória não resulte em multas, as apurações mensais feitas por meio do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), somente poderão ser geradas após a entrega da DEFIS referente ao ano anterior.

Neste caso, haverá a cobrança de juros por atraso no pagamento.

Além disso, a empresa que não fez o envio da sua declaração no ano-calendário anterior fica impedida de apresentar a declaração neste ano.

Neste caso, será necessário regularizar a situação de inadimplência, o que pode ser feito através do sistema próprio sistema PGDAS-D. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda