A gestão de empresas é um processo desafiador e detalhista. Para manter a conformidade da operação, garantindo a saúde e a perenidade da organização, é preciso que os gestores estejam atentos a uma série de demandas e exigências inerentes ao negócio — o imposto de Nota Fiscal Eletrônica (ou NFe) é uma delas.

As obrigações fiscais e tributárias são uma parte complexa da administração e, por isso, devem ser tratadas com seriedade. Para aqueles que trabalham com contabilidade, por exemplo, o conhecimento atualizado é fundamental para que suas marcas permaneçam competitivas e alinhadas às necessidades de um mercado cada vez mais volátil.

Neste post, você entenderá um pouco mais a respeito dos impostos que incidem principalmente nas empresas enquadradas no Simples Nacional ao se tratar de Nota Fiscal.

Boa leitura e bons negócios!

O imposto de Nota Fiscal Eletrônica

A NFe é um documento digital que formaliza transações comerciais em lojas físicas ou na internet. Na prática, o documento é uma solução otimizada e, desde que começou a ser implantado no Brasil, em 2008, substituiu uma série de documentos que eram necessários para o controle manual das operações de venda.

A digitalização da Nota Fiscal agregou mais praticidade, rapidez e segurança aos gestores corporativos. Todos os impostos recolhidos e o envio à SEFAZ (Secretaria da Fazenda e Planejamento), órgão responsável pelo monitoramento das transações comerciais, são automáticos.

Com isso, o prestador (aquele que vende produtos ou serviços), caso tenha a empresa enquadrada no Simples Nacional, recolhe, em uma mesma alíquota:

  • ICMS;
  • IPI;
  • COFINS;
  • ISS;
  • IRPJ;
  • CSLL.

Vale lembrar, ainda, que a legislação tributária pode mudar de uma região para outra. Alguns tributos (municipais e federais) seguem a normativa local e devem ser automaticamente calculados na emissão da Nota Fiscal Eletrônica.

Os principais impostos da Nota Fiscal Eletrônica

Como já mencionamos, os impostos que incidem na NFe são bastante recorrentes e vastamente difundidos. Cabe, agora, ressaltar as particularidades de cada um deles.

ICMS

O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) é um tributo estadual que sobretaxa operações de venda para produtos e serviços. A alíquota varia segundo a normativa de cada região e tem caráter não-cumulativo.

IPI

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é um tributo federal cobrado sempre que uma matéria-prima de procedência nacional ou estrangeira é modificada a partir de processos industriais. Isso quer dizer que apenas insumos que não sofrem qualquer alteração desde a sua extração estão isentos da cobrança.

COFINS

A COFINS (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) também tem alíquota federal e incide sobre a receita bruta de empresas e pessoas jurídicas. Existe, ainda, o critério da cumulatividade, cujas possíveis bases de cálculo indicam se haverá incidência cumulativa ou não-cumulativa.

ISS

O ISS (Imposto Sobre Serviços) é um tributo local e deve ser recolhido no município em que o serviço foi prestado. A alíquota é variável a partir da legislação da cidade e, além de empresas, profissionais independentes devem recolher o imposto em suas transações comerciais.

IRPJ

O Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) é recolhido por pessoas jurídicas ou físicas, desde que equiparadas às empresas. Baseada no Lucro Real, Lucro Presumido ou arbitrado, a alíquota é de 15% do montante apurado, adicionando-se até 10% em relação ao valor que exceder o montante de R$ 20 mil mensais.

CSLL

A CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido), assim como o IRPJ, é devido a pessoas jurídicas ou físicas vinculadas às empresas. É, por sua vez, um imposto de caráter federal, calculado a partir do balanço de lucro líquido no período-base.

CPP

A Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) é recolhida em âmbito federal e está vinculada ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). As alíquotas são variáveis, seguindo as definições do regime tributário escolhido pela empresa e podem atingir até 20% dos salários pagos.

É importante lembrar que, a depender do regime tributário adotado pela empresa, pode haver alterações na legislação fiscal. No Simples Nacional, por exemplo, que admite negócios com faturamento de até R$ 4,8 milhões ao ano, as especificações e alíquotas tributárias diferem bastante das adotadas por regimes “normais”, tais como Lucro Real e Lucro Presumido.

DICA EXTRA: O primeiro passo para contadores

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, o trabalho para seguir com sucesso na carreira profissional é árduo, inúmeros são os desafios que vamos precisar superar nessa jornada. Mas tenha em mente que o conhecimento é o maior bem que você pode ter para conseguir conquistar qualquer que seja os seus objetivos.

Exatamente por isso apresentamos para você o curso CONTADOR PROFISSIONAL NA PRÁTICA, curso este aprovado por inúmeros alunos e que vem gerando uma revolução no conhecimento e na carreira de profissionais contábeis.

O curso é sem enrolação, totalmente prático, você vai aprender todos os processos que um contador experiente precisa saber. Aprenda como abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs. Tenha todo o conhecimento sobre Contabilidade, Imposto de Renda e muito mais. Está é uma ótima opção para quem deseja ter todo o conhecimento que um bom contador precisa ter, quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade que com certeza vai impulsionar sua carreira profissional!

Conteúdo original Infoco Digital

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.