Recentemente, a Receita Federal começou a notificar as empresas optantes pelo Simples Nacional sobre a possibilidade de exclusão do regime tributário em questão.

Em caso de dúvidas sobre se enquadrar ou não nesta questão, o empresário pode acessar a caixa postal do e-CAC para consultar e regularizar a situação. 

Se o empresário for notificado, ele também será informado sobre as divergências atribuídas à empresa, impedindo-a de permanecer no regime. 

Ultrapassar o limite de faturamento

É possível que os negócios estejam indo bem, e aconteça de a empresa exceder o limite de faturamento estabelecido como um dos pré-requisitos para optar pelo Simples Nacional.

Sendo assim, também é preciso se atentar às contribuições tributárias, uma vez que, as empresas adeptas ao regime não podem obter um lucro superior a R$ 4,8 milhões ao ano.

Além disso, durante o primeiro ano de exercício das atividades empresariais, o limite mensal proporcional não pode ultrapassar a marca de R$ 400 mil.

Estes detalhes, requerem que o empreendimento possua um planejamento e uma estimativa de ganhos durante os próximos 12 meses. 

Sociedade entre pessoas jurídicas

As empresas adeptas ao Simples Nacional não podem contar com a participação de uma pessoa jurídica na sociedade.

Caso seja um novo empreendimento, é importante saber que esta opção não é válida.

E se, o quadro societário for alterado diante de uma empresa também optante pelo Simples, ela será excluída do referido regime tributário.

O correto e indicado, é que esta informação seja apresentada por parte dos próprios administradores do empreendimento junto à Receita Federal.

Do contrário, há a possibilidade de fiscalização deixando o empresário sujeito à exclusão que pode acontecer a partir do mês seguinte ao da situação impeditiva. 

Atividades não permitidas

Nos últimos anos, a classificação das atividades autorizadas a se enquadrarem no Simples Nacional passou por diversas modificações.

Isso porque, a tabela da Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE), ampliou a lista, apesar de que ainda existem muitas profissões que permanecem excluídas.

simples nacional
Simples Nacional

Em contrapartida, a novidade fica por conta da implementação dos seguintes nichos: indústria de bebidas alcoólicas, sociedade cooperativa, sociedade composta por cidadãos em situação de vulnerabilidade social ou pessoa, Organização da Sociedade Civil (OCIP), e organizações religiosas a caráter social. 

Situações de fraude e/ou descumprimento da Lei

Em casos de condenação por fraude ou descumprimento da legislação brasileira, a empresa pode ver o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), excluído do Simples Nacional.

Ambas as situações resultantes dessa penalidade podem acontecer devido à não emissão de notas fiscais diante da prestação de serviços, o contrabando de mercadorias ou a manutenção da empresa somente a caráter “de fachada” para atividades ilícitas. 

Se apurado o pagamento de despesas superiores ao percentual de 20% correspondente à entrada de recursos, a empresa também poderá ser excluída do Simples Nacional.

A exceção integra aqueles empreendimentos que ainda estão em fase inicial das atividades.

Por fim, o ato de omitir a folha de pagamento dos colaboradores também é uma prática sujeita à punição. 

Dívidas variadas perante órgãos governamentais

As empresas que possuem contribuições junto ao município e/ou ao Estado, também devem possuir a inscrição do CNPJ junto aos referidos governos, no intuito de evitar a inclusão em uma lista de devedores estabelecida pela Receita Federal.

Isso porque, o Governo está apto a emitir um Ato Declaratório de Exclusão (ADE), com validade de 30 dias corridos.

Se, dentro deste período o representante da empresa não se dirigir à Receita Federal ou, não comprovar de algum modo o pagamento da dívida, passados 45 dias da emissão do ADE, o processo de exclusão do CNPJ da empresa junto ao Simples Nacional será iniciada, sem que haja a possibilidade de recuperação. 

Contestação da exclusão do regime

Caso os aspectos da exclusão não sejam válidos, ao tomar ciência do ADE, a empresa pode contestar a decisão através de uma manifestação de inconformidade perante o Delegado da Receita Federal do Brasil de Julgamento, diante dos termos do Decreto nº 70.235, de 7 de março de 1972 – Processo Administrativo Fiscal (PAF), bem como, as modificações posteriores que visam garantir o contraditório e a ampla defesa.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laura Alvarenga