Simples Nacional: Respondendo 5 Perguntas Simuladas

IOB/ao³, referência nas áreas contábil, fiscal, tributária e trabalhista

O regime de substituição tributária subsequente não se aplica ao Simples Nacional em determinada situação?

Sim, não se aplica a substituição tributária, às operações interestaduais com bens e mercadorias produzidas em escala industrial não relevante. 

Os bens e mercadorias considerados fabricados em escala industrial não relevante estão relacionados no Anexo XXVII do Convenio 142/18, e quando produzidos por contribuinte que atender, cumulativamente, as seguintes condições:

I – Ser optante pelo Simples Nacional;

II – Auferir, no exercício anterior, receita bruta igual ou inferior a R$ 180.000,00 (cento e oitenta mil reais);

III – possuir estabelecimento único;

IV – Ser credenciado pela administração tributária da unidade federada de destino dos bens e mercadorias, quando assim exigido.

VI- No documento fiscal que acoberte operação com bens e mercadorias fabricados em escala industrial não relevante, seja mencionado o seguinte:

a) no campo informações complementares, a declaração: “Bem/Mercadoria do CEST ______, fabricado em escala industrial não relevante.”;

b) em campo específico, o número do CNPJ do respectivo fabricante.

(Resolução CGSN nº 140/2018, art. 5, § 1 e Convênio 142/18, Cláusula Nona e Vigésima segunda)

Como será a tributação do ISS de ME ou EPP optante pelo Simples Nacional que presta serviço sujeito à retenção na fonte?

A prestadora do serviço, optante pelo Simples Nacional, deverá informar essas receitas destacadamente (separadamente) de modo que o aplicativo de cálculo as desconsidere da base de cálculo do tributo objeto de retenção na fonte. Ressalte-se, porém, que essas receitas continuam fazendo parte da base de cálculo dos demais tributos abrangidos pelo Simples Nacional

Neste caso o ISS será recolhido pelo tomador fora do Simples Nacional, de acordo com a legislação municipal.

(Resolução CGSN nº 140/2018, art. 25, § 9, II)

Como o Simples nacional deve emitir a nota fiscal de serviços, quando a prestação está sujeita a retenção de ISS?

Em linhas gerais, a retenção na fonte de ISS da ME ou EPP optante pelo Simples Nacional, somente será permitida desde que observado as hipóteses previstas no art. 3º da Lei Complementar nº 116/03. 

Ao emitir a nota fiscal, o Simples, deverá informar a alíquota aplicável para fins de retenção na fonte, e corresponderá ao percentual efetivo de ISS decorrente da aplicação das tabelas dos Anexos III, IV ou V desta Resolução para a faixa de receita bruta a que a ME ou EPP estiver sujeita no mês anterior ao da prestação.

Na hipótese de o serviço sujeito à retenção ser prestado no mês de início de atividade da ME ou EPP, a alíquota aplicável será de 2% (dois por cento).

 Caso o Simples não informar no documento fiscal a alíquota de ISS, aplicar-se-á a alíquota de 5% (cinco por cento).

(Resolução CGSN nº 140/2018, art. 27)

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo da contribuição para o PIS-Pasep e da Cofins é aplicável às empresas do Simples Nacional?

Não. O teor da decisão do STF sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS-Pasep e Cofins não tem efeitos em relação às empresas tributadas no Simples Nacional, uma vez que a alíquota efetiva incide sobre a receita bruta, assim considerado o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.

A própria sistemática do cálculo no Simples Nacional inviabiliza a exclusão do ICMS, tendo em vista que é regida por lei própria, que determina que o valor devido mensalmente pela microempresa (ME) ou empresa de pequeno porte (EPP), optante pelo Simples Nacional é determinado mediante aplicação das alíquotas efetivas, calculadas a partir das alíquotas nominais constantes das tabelas dos Anexos I a V da Lei Complementar nº 123/2006, sobre a base de cálculo.

O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) já havia orientado no sentido de que “a rigor, a situação dos optantes pelo Simples Nacional é totalmente distinta, uma vez que, por sua sistemática de cálculo, o percentual de ICMS incide não sobre a operação de circulação e antes da Cofins e da contribuição para o PIS-Pasep, mas sobre a receita bruta e paralelamente a elas. Sendo assim, o ICMS não compõe a base de cálculo do Simples Nacional, de sorte que esses julgados do STF são inaplicáveis aos optantes.”

(Resolução CGSN nº 140/2018, art. 2º, II)

 Pessoa jurídica que exerça a atividade de ensino de línguas estrangeiras (escola de idiomas) pode optar pelo Simples Nacional?

Sim. A pessoa jurídica que se dedique à atividade de ensino de línguas estrangeiras pode optar pelo Simples Nacional, conforme expressamente previsto no art. 18, § 5º-B, I, da Lei Complementar nº 123/2006 – com alterações das Leis Complementares nº 128/2008 e 147/2014.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.