Stacey Plaskett é primeira representante sem direito a voto a ser gerente de impeachment

0

Na quarta-feira, Stacey Plaskett fez história no plenário do Senado, quando se tornou a primeira representante sem direito a voto na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos a servir como gerente de impeachment. 

Stacey representa as Ilhas Virgens dos Estados Unidos, que como território não tem voto no Congresso.

Ela está na posição única de defender o caso para condenar o ex-presidente Donald Trump por incitar o ataque de 6 de janeiro ao Congresso norte-americano, mas foi impedida de votar a favor do impeachment na câmara em que ela serve.

“Aprendi ao longo da minha vida que preparação e verdade podem levar você longe, permitir que você fale a verdade ao poder”, disse Plaskett em seu discurso de abertura.

Ela mencionou sua jornada improvável de projetos habitacionais em Brooklyn, Nova York, a Santa Cruz, nas Ilhas Virgens dos Estados Unidos, e “agora como uma mulher adulta represento um território insular falando ao Senado dos Estados Unidos da América.”

Ela não disse que, como o vice-presidente Harris não era mais senador, Plaskett era a única mulher negra na câmara.

O gerente de impeachment da Casa Principal (Lead House), Jamie Raskin, do estado de Maryland, apresentou Plaskett, a quem ele ensinou durante a faculdade de direito, chamando de “um momento de orgulho especial” para ele.

Os democratas dizem que a rebelião foi preparada à vista do público

Plaskett apresentou o argumento dos democratas da Câmara de que Trump desempenhou um papel importante tanto na organização quanto ao dar as ordens do ataque a Washington, cidade da democracia do país.

“Vocês verão que esse ataque violento não foi planejado em segredo. Os insurgentes acreditavam que estavam cumprindo o dever de seu presidente. Eles estavam seguindo suas ordens”, disse Plaskett.

A equipe jurídica de Trump argumentou que o ex-comandante que estava encarregado, não deve assumir nenhuma responsabilidade pelo ataque mortal ao Congresso, que deixou cinco pessoas mortas, incluindo um policial que foi espancado por rebeldes.

Durante o processo de impeachment na terça-feira, os advogados de defesa de Trump argumentaram que seus comentários no comício anterior ao ataque são palavras protegidas pela Primeira Emenda.

Designed by @master1305 / freepik
Designed by @master1305 / freepikvvvv

Sua equipe acrescentou que, se os democratas da Câmara quisessem realmente buscar justiça, eles esperariam que as investigações sobre o ataque fossem concluídas e processariam as auto-intituladas milícias cujos membros se comunicaram em tempo real durante o cerco.

Plaskett rebateu essas afirmações, dizendo aos senadores que o ex-presidente era o centro do ataque.

Ela disse que Trump passou meses “cultivando uma base de pessoas que eram violentas, elogiando essa violência e depois levando essa violência, essa raiva, direto para a nossa porta”.

A congressista de quatro mandatos deu exemplos, incluindo o debate presidencial em setembro, quando o então presidente se recusou a denunciar o grupo de extrema direita, os Proud Boys, dizendo-lhes para “recuar e aguardar”.

*Proud Boys é uma organização política neofascista de extrema-direita que admite apenas homens como membros.

Ela articulou em outros incidentes, argumentando que Trump continuou a alimentar essa base violenta, como durante um comício de 12 de dezembro em Washington, D.C., quando apoiadores pró-Trump entraram em confronto com contra-protestadores. 

Quatro pessoas foram esfaqueadas e dezenas foram presas.

Plaskett disse que a manifestação foi organizada pelas Mulheres pela América Primeiro, o mesmo grupo que garantiu a autorização para a manifestação que precedeu o ataque ao Congresso norte-americano

Plaskett disse que os Proud Boys estiveram presentes em ambos.

“Ele organizou o ataque em 6 de janeiro com as mesmas pessoas que haviam acabado de organizar um comício que resultou em uma enorme violência”, acrescentou Plaskett.

Ela observou que a diferença entre os eventos de dezembro e janeiro é que Trump deu um passo adiante e se certificou de que “sua cavalaria” não permanecesse parada.

Plaskett então leu as próprias palavras de Trump no comício:

“Estamos indo para o Congresso”, ela citou. “Nós lutamos. Nós lutamos muito. E se você não lutar muito, você não terá mais um país.”

Plaskett disse que, por todos esses motivos, o ex-presidente deve ser condenado e desqualificado para concorrer a um cargo federal novamente.

Na terça-feira, a equipe jurídica de Trump afirmou que os democratas da Câmara estão tentando condenar Trump em parte porque temem enfrentá-lo na eleição de 2024.

Conteúdo traduzido da fonte NPR por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil