Suspensão de impostos para pequenas empresas, entenda a proposta

0

A suspensão de impostos federais para microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), voltou a ser tema de debate na Câmara dos Deputados nesta semana.

Desta vez, a Comissão de Finanças e Tributação aprovou a proposta que prevê esta suspensão nos dois anos iniciais de funcionamento dos empreendimentos. Depois desse prazo, o valor total será disponibilizado sem multas ou juros, para o parcelamento em até 120 parcelas.

A iniciativa foi apresentada pelo deputado Dagoberto (PDT-MS) através do Projeto de Lei Complementar (PLP) 130/15. Segundo ele, a intenção é conferir incentivo fiscal ao micro e pequeno empreendedor que estão no início de suas atividades. 

Agora, a proposta segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), para ser colocada em votação no plenário. Continue conosco e entenda a proposta. 

Photo by @drobotdean / freepik
Photo by @drobotdean / freepik

Impostos 

Segundo o Projeto de Lei Complementar (PLP) 130/15, poderá ser suspensa a cobrança dos seguintes tributos: 

  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), 
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI),
  • Contribuição para a Seguridade Social, 
  • Imposto de Renda da Pessoa Jurídica, 
  • Contribuição para o PIS/Pasep, 

Parcelamento 

Conforme mencionamos acima, após os dois anos o empreendedor poderá parcelar o valor total dos impostos. Mas atenção: caso haja o atraso de seis parcelas consecutivas ou 12 intercaladas, a dívida será considerada vencida em sua integralidade e o pagamento das demais parcelas será antecipado e, por conta disso, deverá ser quitado à vista. 

Além disso, se for verificado que a empresa não possuía porte para usufruir da suspensão e parcelamento, os débitos também serão calculados com base no seu real enquadramento à época e deverão ser quitados à vista. No valor total também serão incluídas as multa, juros e correção monetária. 

Empresas abertas

Para o deputado, as Micro e Pequenas Empresas já são as principais geradoras de riqueza no comércio no Brasil, sendo assim, é preciso incentivar e qualificar os
empreendimentos de menor porte.

Segundo dados do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), foram abertas 626.883 micro e pequenas empresas no país em 2020. Desse total, 535.126 eram microempresas (85%) e 91.757 (15%) eram empresas de pequeno porte.

Dentre os setores que podemos ver o aumento no número de microempresas, estão os seguintes:

  • Escritório e apoio administrativo: 20.398 empresas,
  • Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios: 16.786,
  • Restaurantes e similares: 13.124,

Por sua vez, as pequenas empresas estão presentes nos seguintes setores:

  • Escritório e apoio administrativo: 3.108,
  • Construção de edifícios: 2.617,
  • Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios: 2.469,  

Apesar dos impactos negativos causados pela pandemia, o país teve uma alta de 6% na abertura de empresas em comparação a 2019, conforme as informações do governo federal.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.
Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda