Tenho uma Microempresa e fui notificado pelo Procon, e agora?

Independente do porte de sua empresa, você deve ficar atento ao receber um auto de infração, pois negligenciar o mesmo pode levar sua empresa a inscrição em dívida ativa.

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor, mais conhecido como Procon, é um órgão administrativo, o qual como o próprio nome diz, tem a finalidade de proteger o consumidor de práticas abusivas por parte dos fornecedores e/ou fabricantes, atuando por meio de fiscalização voluntária, visando a proteção de interesses coletivos ou quando há alguma denúncia. 

Os agentes que trabalham no setor de fiscalização do Procon, atuam de oficio, quando necessário, instaurando procedimentos de vistoria, com a finalidade de verificar ocorrência de violação dos direitos do consumidor, tais como oscilações de preço, empresas que não estão realizando o protocolo de medidas preventivas ao covid.19, entre outras infrações. 

Nesse caso, o órgão atua como um repressor, pois amparado pelo Decreto nº 2.181, de 20 de março de 1997 e pelo Código de Defesa do Consumidor, tem a incumbência de aplicar punições administrativas, caso fique comprovado que a empresa violou os direitos do consumidor ou cometeu atos contrários à legislação consumerista. Podendo proceder com a inclusão do nome da empresa no Cadastro Nacional, Estadual e Municipal de Reclamações Fundamentadas, por exemplo e em caso de não apresentação de defesa em tempo hábil, nem tampouco pagamento da multa administrativa aplicada, pode a empresa ter a dívida incluída na dívida ativa da Fazenda. 

Dada as explicações quanto a definição e finalidade do Procon, podemos agora, adentrar no mérito deste artigo.

Vejamos:

Ao receber um auto de infração ou uma notificação do órgão, a empresa, por meio de seu representante legal deve apresentar defesa administrativa, dentro do prazo de vinte dias a contar do recebimento da notificação e/ou auto de infração pela mesma. 

Em casos de notificação, ou seja, quando o consumidor abre uma reclamação sobre a empresa junto ao Procon, a empresa deve contratar um advogado, para que o mesmo elabore a defesa para o caso, juntamente com os documentos comprobatórios para o alegado em defesa, assim como deverá juntar os atos constitutivos, estatuto social, procuração, substabelecimento e carta de preposição (se for o caso).

Todos esses documentos, juntamente com a defesa, em regra, serão protocolados no dia da audiência, pois quando o consumidor abre uma reclamação com o Procon, ele sai de lá com a data de audiência, pois durante a mesma o órgão faz uma tentativa de solução administrativa por meio da conciliação, a qual não obtendo êxito seguirá com ata de audiência com tentativa de conciliação frustrada, onde tanto o consumidor como o fornecedor e/ou fabricante terá seu momento de fala e o processo segue para julgamento, com todos os documentos apresentados por ambos.

Após julgamento do processo, nos casos em que a reclamação for considerada como fundamentada não atendida, novamente o processo passará por uma análise para apuração de materialidade, ou seja, se haverá aplicação de multa ou não, para então novamente notificar a empresa que deverá apresentar recurso ou pagar a multa. Caso a relação seja considerada não fundamentada ou fundamentada atendida, o processo será arquivado, pois foi finalizado. 

Em casos de recebimento de um auto de infração, ou seja, quando o órgão age de oficio motivado por uma denúncia, constata algo de errado no estabelecimento e lavra um auto de infração, juntamente com uma multa aplicada pela desobediência da empresa as normas do consumidor.

Desse modo, a empresa deve contratar um advogado, para que o mesmo elabore a defesa para o caso, juntamente com os documentos comprobatórios para o alegado em defesa, assim como deverá juntar os atos constitutivos, estatuto social, procuração, substabelecimento e carta de preposição (se for o caso), bem como, deve comprovar também que o constatado no auto de infração foi solucionado.

Caso o Procon não aceite o que foi exposto na defesa e entenda que a aplicação da multa é devida, novamente irá notificar a empresa sobre o pagamento da mesma e decisão, pela qual a empresa poderá apresentar recurso administrativo ou pagar a multa dentro do prazo. 

Caso a empresa não apresente defesa e nem tampouco efetue o pagamento da multa no prazo de trinta dias, o débito será inscrito em dívida ativa e poderá a empresa sofrer uma cobrança de execução. 

Por fim, qualquer que seja o porte de sua empresa, é extremamente necessário se manter de acordo com o Código de Defesa do Consumidor e visando o bom relacionamento com o cliente, ao receber qualquer reclamação administrativa, a presença de um advogado para lhe auxiliar evitará maiores transtornos. 

Por Justiliana Sousa, advogada. Pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil, pela UNINASSAU.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.