Fintech carioca lista os principais procedimentos de uma gestão contábil que auxiliam o trabalhador autônomo

Trabalhar do conforto de casa, ter horário flexível e ser seu próprio chefe são algumas das vantagens dos profissionais que vivem como freelancer. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgada no fim de 2018, o Brasil registrou 23,8 milhões de pessoas trabalhando por conta própria. Regime de trabalho que considera, por exemplo, os microempreendedores individuais (MEI).  O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a taxa de desemprego aumentou entre o último trimestre de 2018 e o primeiro de 2019, passando de 12,2 milhões pessoas para 13,4 milhões.

Os trabalhos freelancers vêm se tornando uma alternativa cada vez mais procurada por profissionais que querem aumentar a renda ou desenvolver um plano B para a carreira. No entanto, seja como complemento de renda ou como a principal fonte de rendimentos, é fundamental ter um bom controle financeiro e contábil, para que trabalho se torne vantajoso e não uma grande dor de cabeça. Por isso, a ContSimples, escritório digital de contabilidade, listou X dicas de gestão financeira para que todo trabalhador freelancer possa organizar suas contas.

Formalize o seu negócio

A formalização é um passo fundamental do processo inicial da carreira. Isso porque, clientes irão solicitar nota fiscal dos seus serviços e a melhor forma de tê-las é abrindo uma empresa. “Caso receba no máximo R$ 81 mil anuais a melhor forma se regularizar é como MEI, além de ser enquadrado no Simples Nacional, o MEI gestão contábil tem carga tributária reduzida e recolhimento único que varia de R$ 50,90 a R$ 55,90 por mês”, explica Francisco Júnior, cofundador da ContSimples. “No pagamento da guia mensal o empreendedor contribui para o INSS e tem direito a benefícios sociais como licença maternidade e aposentadoria”, complementa.

Acompanhe suas finanças

O trabalho freelancer e a renda obtida através dele deve ser entendida como finanças da empresa e o dinheiro pessoal deve ser mantido separadamente. Analisar e avaliar as contas com frequência auxilia no controle das informações. “Por isso, mesmo com jobs que podem variar mês a mês é importante estipular um salário fixo e considerar o lucro extra como bônus”, diz Francisco Júnior

Organize seu calendário de impostos

Organizar o calendário de pagamento de impostos é essencial para não se perder. Se a empresa for do Simples Nacional, terá uma única guia que unifica todos os impostos, a DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional). “Deve-se atentar apenas ao vencimento que ocorre todo dia 20 de cada mês para que se esteja em dia com as obrigações tributárias”, atenta Francisco. Além disso, todo ano o Microempreendedor Individual deve declarar o valor do faturamento bruto do ano anterior por meio da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN – SIMEI) que pode ser preenchida pelo próprio MEI, até o dia 31 de maio de cada ano. É preciso ficar atento pois as multas por atraso podem variar de R$ 50,00 até 2% ao mês-calendário ou fração, incidentes sobre o montante dos tributos decorrentes das informações prestadas na declaração.

Tenha uma reserva

Guardar uma porcentagem do valor arrecadado mensalmente é fator essencial para se planejar caso ocorram períodos com poucos jobs. Costuma-se recomendar que seja reservado 10% do valor recebido “É um valor interessante e que, para a maioria das pessoas, vai funcionar. Se for possível poupar mais sem sacrificar a qualidade de vida, é uma boa opção”, conta Francisco Júnior.

Invista parte de seus recursos

Assim como uma empresa é preciso poupar e fazer investimentos para se tornar cada vez mais competitivo no mercado. No caso do trabalho freelancer, esse investimento está diretamente ligado ao desenvolvimento profissional. Portanto, investir na própria capacitação pode ser um diferencial. “Tendo consciência de quais habilidades devem ser desenvolvidas com prioridade fica mais fácil onde e quanto se deve investir, o que torna tudo ainda mais fácil”, diz Francisco Júnior.

A fintech carioca ContSimples foi fundada em janeiro de 2017 com o objetivo de facilitar a operação e diminuir significativamente o custo com todo o processo contábil de microempresas, freelancers, microempreendedores e startups. A ideia partiu do fundador Marcelo Oliveira,  que há 25 anos atua na área de contabilidade, e o co-fundador Wallace Pacheco, com experiência de mais de 15 anos na área de Tecnologia.