Vai pedir um empréstimo? Cuidados especiais que você precisa ter antes de solicitar

NuBank conta o que aprendeu ouvindo mais de 12 mil clientes sobre suas dificuldades na hora de pedir um empréstimo

448

Quase ninguém gosta de pegar emprestado. Embora muitas pessoas usem esse recurso para conquistar sonhos (como viajar), fazer um pessoal é muitas vezes uma ferramenta importante para resolver situações de emergência – e são justamente esses casos que costumam gerar mais problemas a longo prazo para os consumidores. 

A falta de planejamento para fechar negócio, o desconforto na hora de negociar valores e a falta de clareza nas informações são os maiores inimigos de quem precisa pedir emprestado.

Essa foi a conclusão do nosso time após mais de um ano estudando o mercado brasileiro de  e tentando encontrar formas de eliminar a burocracia e as barreiras que atrapalham as pessoas na hora de decidir o que é melhor para o seu orçamento. 

Abaixo, segue alguns dos aprendizados para que mais pessoas tomem decisões conscientes na hora de pedir um – seja no ou em qualquer outra instituição. 

1. Planeje-se antes de pedir um pessoal

Existem basicamente duas situações em que as pessoas recorrem aos s: realizar sonhos ou resolver problemas

No primeiro caso, os sonhos costumam ser planos de longo prazo, como viagens ou compra de imóveis, e que envolvem maior tempo de planejamento. O grande problema costuma estar nos s às pressas – para uma emergência ou para quitar uma outra dívida. 

Pegar emprestado sem planejar os gastos significa trocar um problema por outro. 

Antes de buscar um , muitas pessoas esquecem de fazer algumas contas fundamentais:

  • Quanto posso comprometer da minha renda mensal nas parcelas?
  • Quais as taxas do ?

2. Não feche com a opção mais fácil sem pesquisar

Na hora em que a situação aperta, muita gente pega um com a primeira opção disponível. 

Clicar no botão de “pré-aprovado” que seu banco oferece não necessariamente é a melhor opção para o seu orçamento – ela só é a mais fácil. 

Você até consegue contratar em dois cliques, mas será que consegue gerenciar essas parcelas? Consegue antecipar quantos pagamentos quiser?

Muitas empresas que oferecem dificultam a vida na hora de antecipar parcelas para que o cliente pague mais juros no final.

Também é importante pesquisar para entender as diferentes categorias de às quais se pode ter acesso. 

Os s sem garantia, por exemplo, geralmente têm taxas de juros maiores – e muitas pessoas não sabem que podem ter acesso a s com garantia, que normalmente possuem taxas menores.

3. Avalie se você precisa mesmo do  

Pode soar estranho, mas muita gente não sabe que pode renegociar as dívidas que já possui ao invés de pegar um para quitá-las. 

Muitas vezes, é mais vantajoso procurar a instituição para quem você já deve (como a operadora do cartão) e negociar condições melhores de pagamento do que contrair uma segunda dívida () para pagar a primeira.

4. Entenda em detalhes as condições do

É importante prestar atenção em todas as condições atreladas ao :

  • Quais as taxas de juros?
  • É possível antecipar parcelas? De que forma?
  • Como será possível gerenciar as parcelas?
  • O que acontece com as parcelas atrasadas?

Vale lembrar que, por lei, toda instituição é obrigada a deixar o cliente adiantar as parcelas e dar o desconto proporcional dos juros

Entender essas informações é fundamental para não perder o controle dos pagamentos no futuro. 

Por exemplo, ao atrasar um pagamento do , o cliente automaticamente começa a pagar juros em cima de uma parcela que já contém juros. 

5. Verifique os custos acessórios

A grande maioria das instituições empurra uma série de produtos “acessórios” na hora de oferecer um .

  • Taxa de abertura de crédito
  • Taxa de cadastro
  • Seguro (como seguro desemprego, para cobrir parcelas caso você perca o emprego)

Todos esses custos entram no valor total que você vai precisar pagar de volta ao fim do – e mesmo os que parecem vantajosos podem ser uma grande cilada quando as contas são colocadas na ponta do lápis. 

Os seguros são, muitas vezes, uma garantia embutida no preço da sua parcela. Por exemplo, as taxas de juros efetivas podem dobrar para quem contrata um seguro no

Além disso, é muito importante checar quais circunstâncias exatamente o seguro cobre – para não correr o risco de ficar descoberto quando mais precisa. 

Muitas vezes, o seguro desemprego, por exemplo, só cobre casos de pessoas trabalhando em regime – e não freelancers ou PJs, por exemplo.  

Ah, e uma dica importante: muitos locais que oferecem empréstimo online já deixam assinalada a opção de incluir o seguro no pacote de . Cabe ao cliente tirar essa opção antes de fechar o negócio. 

6. Não misture da PF com a PJ

Um dos erros mais comuns (e graves) que notamos é o fato de muitos empreendedores pegarem pessoal e usarem o nas contas de suas pequenas empresas. 

Nunca se deve misturar crédito da pessoa física com a pessoa jurídica.

Essa prática impede que a empresa tenha um controle de gastos e fluxo de caixa organizado e pode colocar o empreendedor em uma situação difícil de sair – sem crédito, por exemplo, para suas necessidades pessoais. 

7. Não tenha vergonha de falar sobre

Falar sobre geralmente gera um desconforto nas pessoas. Falar sobre com estranhos – como um gerente de banco ou funcionário de financeira – é ainda mais delicado.  E se o tema da conversa é dívida, fica quase impossível tocar em todos os pontos necessários. 

Por vergonha, medo ou inibição, muita gente deixa de fazer as perguntas essenciais (muitas delas, listadas acima neste artigo). 

Ninguém é obrigado a entender todos os detalhes do mercado financeiro – por isso, se ficar com dúvidas, pergunte a quem está te oferecendo um o que as siglas difíceis de entender querem dizer. Leia o contrato, esclareça as letras miúdas. Questione uma, duas, dez vezes. 

No fim das contas, você só vai poder tomar a melhor decisão para o seu bolso se tiver clareza de tudo o que está na balança.

Conteúdo original Nubank