Valor do Seguro Desemprego 2019: Aprenda a calcular e como dar entrada

Levando em consideração a variação do INPC, neste ano, o seguro desemprego terá um novo valor.

2799
FGTS

O valor do seguro desemprego sofreu reajuste em 2019. Portanto, se você vai receber o benefício nos próximos meses, contará com uma parcela máxima mais alta, graças ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Entenda como funciona o cálculo e saiba tudo a respeito desse direito do trabalhador brasileiro.

De acordo com o IBGE, há mais de 13 milhões de desempregados no Brasil, sendo que boa parte desse total está recebendo as parcelas do seguro desemprego. O benefício existe justamente com esse fim: garantir dinheiro ao trabalhador que foi demitido sem justa causa durante o período em que ele se encontra afastado do mercado de trabalho.

O pagamento do seguro desemprego é realizado de três a cinco parcelas, tudo depende do tempo que durou o vínculo empregatício. Ele garante segurança financeira ao trabalhador brasileiro, pelo menos por alguns meses, até que ele encontre outro emprego.

Reajuste no valor do seguro desemprego 2019

Em 2019, o valor do seguro desemprego foi reajustado em 3,43%, seguindo a variação do INPC. Com isso, a parcela mínima é de um salário mínimo (R$998) e a máxima é de R$1.735,29.

Em comparação com o teto de 2018, que era de R$ 1.677,74, houve um aumento de R$57,26.

Os novos valores entraram em vigor a partir do dia 11 de janeiro. Eles valem tanto para as parcelas liberadas a partir dessa data como para os novos pedidos de seguro desemprego.

Como o benefício é calculado?

Para chegar ao valor do seguro desemprego, é necessário somar os três últimos salários mínimos antes do desligamento da empresa e dividir o resultado por três. A média é a quantia que o trabalhador receberá por parcela.

Se o cálculo do seguro desemprego resultar numa média acima de R$2.551,96, o trabalhador recebe o teto do benefício, ou seja, parcelas no valor de R$1.735,29. Não importa se o último salário era de R$5 mil ou R$10 mil, as parcelas não excedem o piso máximo.

No caso de um colaborador que ganhava salário de até R$1.531,02, o seu seguro desemprego será de 80% da média dos últimos salários. Por outro lado, se o valor médio da remuneração fica entre R$1.531,03 e R$2.551,96, o benefício é calculado da seguinte forma: R$1.224,82 acrescido de 50% do que excede R$1.531,02.

Tabela do seguro desemprego e exemplos

Ficou difícil entender o cálculo do valor do seguro desemprego em 2019? Calma. Observe a tabela abaixo e os exemplos práticos.

  • Média de salário de até R$1.531,02: 80% dos três últimos salários;
  • Média de salário entre R$1.531,03 e R$2.551,96: 50% do que exceder R$1.531,03, mais R$1.224,82.
  • Média de salário acima de R$2.551,96: R$1.735,29
Leia Também:  Salário Família: Entenda como é feito o cálculo e quem tem direito

Exemplo 1: Sandra trabalhou como operadora de telemarketing recebendo R$1.200,00 por mês. Após a demissão, ela deu entrada no seguro desemprego. A parcela do benefício, então, será de R$960,00.

Exemplo 2: Luciana trabalhava como psicóloga em uma empresa de recursos humanos. Nos últimos três meses de contrato de trabalho, ela recebeu salário de R$2.400,00. Isso significa que a parcela do seu seguro desemprego, em 2019, será de R$434,48 + R$1.224,82, que é igual a R$1.659,30. Para chegar ao valor de R$434,48, calculou-se 50% de R$868,97 (R$2.400 – R$1.531,03).

Exemplo 3: Bernardo trabalhava como engenheiro civil em uma grande construtora, com salário de R$7.000,00 nos últimos três meses. Ele foi demitido e precisou solicitar o seguro desemprego. O valor de cada parcela será o teto, ou seja, R$1.735,29.

Número de parcelas

Com as novas leis que entraram em vigência de 2015, para que o trabalhador receba o benefício em sua primeira solicitação é necessário comprovar no mínimo 12 meses de vínculo com a empresa.

Primeira solicitação

Em relação ao número de parcelas, é exigido na primeira solicitação o total de 24 meses trabalhados para receber 5 parcelas. Agora, para ter direito a 4 parcelas, na primeira solicitação, deverá ser comprovado 12 meses trabalhados.

Segunda solicitação

No que se refere à segunda solicitação, com 9 meses trabalhados o trabalhador desempregado tem direito a receber 3 meses desse benefício. Com 12 meses, comprovando vínculo empregatício, é totalizado 4 parcelas.  Agora, para 24 meses trabalhados assim como na primeira solicitação o desempregado terá direito a 5 meses de seguro desemprego.

Terceira solicitação

Se o trabalhador tiver em sua terceira solicitação de seguro desemprego, para receber 3 parcelas, o mesmo deverá comprovar 6 meses de vínculo com a empresa. O valor dividido em 4 parcelas será destinado aos comprovarem 12 meses.  E para 5 parcelas ainda será cobrado 24 meses trabalhados.

Ainda tem dúvidas sobre como fazer o cálculo? Então conte com um simulador de seguro desemprego. Esse sistema considera os valores dos últimos três salários, o tipo de benefício, a quantidade de meses trabalhados e se o trabalhador recebeu o benefício anteriormente.

Leia Também:  Aumento Salarial: Dicas que vão te ajudar em tempos de crise

A simulação apresenta o valor total do benefício, o valor por parcela e o número de parcelas que precisam ser pagas.

Como dar entrada no seguro desemprego em 2019?

O Ministério do Trabalho simplificou a tarefa de solicitar seguro desemprego, graças à criação do Portal Emprega Brasil. Dessa forma, o pedido do benefício pode ser efetuado pela internet, sem a necessidade de comparecer pessoalmente a uma agência do MTE.

Ao utilizar o serviço online, o trabalhador só precisa confirmar os dados do requerimento, atualizar as informações pessoais, preencher dados sobre formação acadêmica, indicar as experiências profissionais e os objetivos. O sistema também oferece condições para pesquisar oportunidades de trabalho e cursos de qualificação.

Prazos para dar entrada no seguro desemprego

No caso do trabalhador formal, o benefício deve ser solicitado entre o 7º e o 120º dia após a demissão. No caso do trabalhador doméstico, são aceitas solicitações enviadas entre o 7º ao 90º dia depois da dispensa.

Consulta ao seguro desemprego

Uma das formas mais fáceis de consultar o benefício é pelo aplicativo Caixa Trabalhador, disponível para iOS e Android. O app, desenvolvido pela Caixa Econômica Federal, permite verificar os principais direitos trabalhistas, como PIS, abono salarial e o seguro desemprego.

Com apenas alguns toques na tela do celular, o usuário consegue consultar os calendários de pagamento e tira todas as dúvidas.

Seguro desemprego no Governo de Bolsonaro

Paulo Guedes, ministro da economia do governo de Jair Bolsonaro, quer criar um sistema intitulado de carteira verde e amarela. Com ele, a empregabilidade no Brasil tende a aumentar, só que a quantidade de direitos trabalhistas será reduzida. O seguro-desemprego, por exemplo, será eliminado nesse regime de direitos flexíveis.

Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?

Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Conteúdo original via Via Carreira