Varejo: Mesmo com a pandemia o setor deverá estimular a contratação de profissionais temporários

0

O final do ano movimenta a área de varejo e consumo por conta da Black Friday e, principalmente do Natal.

Neste ano, mesmo com a pandemia, o setor deverá estimular a contratação de profissionais temporários.

Uma sondagem realizada pela ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), mostra que o varejo deve contratar 82 mil temporários no país sendo 34 mil só no estado de São Paulo. Essa movimentação é 20% menor que o registrado no mesmo período do ano passado.

Para a ALSHOP, a queda se deve ao número de lojas que tiveram que encerrar definitivamente as suas atividades e também na queda no fluxo de pessoas em centros comerciais, shoppings e lojas de rua.

“As autoridades do governo demoraram bastante tempo para liberar o funcionamento do comércio, depois houve demora na flexibilização e esse é o resultado destas ações.

Estima-se que mais de 11 mil estabelecimentos fecharam definitivamente.”, afirma Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP.

bares restaurantes

Áreas que devem contratar mais

O varejo estima a contratação de profissionais para atuar nos segmentos de supermercados, vestuário masculino e feminino, calçados e acessórios, perfumaria e cosméticos.

Para alguns associados da ALSHOP a expectativa é de que pelo menos 20% destes 82 mil trabalhadores sejam efetivados e continuem trabalhando em 2021. Isso dependerá da resposta do varejo no fim do ano e da recuperação da economia.

“Nos últimos dias, quando a cidade de São Paulo entrou para a fase verde da flexibilização da quarentena, acompanhamos nos noticiários que os shoppings registraram movimento de público e aumento nas vendas, por conta dos Dia das Crianças.

Nossa expectativa é que o comércio inicie uma recuperação positiva nestes últimos dois meses do ano, ainda longe do ideal e bem abaixo dos níveis pré pandemia mas ainda assim os números são positivos.”, finaliza Sahyoun.

Por a ALSHOP representa mais de 54 mil associados espalhados por todo território brasileiro, e integra o movimento lançado pelo Instituto Unidos Pelo Brasil que incentiva a reativação responsável da economia do país, bem como a geração de emprego e renda.