Veja cinco erros que você pode estar cometendo no ambiente de trabalho!

Estrategista em comunicação explica como corrigir falhas na oratória

Uma pesquisa realizada pela revista britânica The Economist, chamada ‘Barreiras de Comunicação no Ambiente de Trabalho Moderno’, constatou que a comunicação vai muito além da fala. Os entrevistados relataram que a falta de um diálogo eficiente neste cenário causou atrasos ou erros na conclusão de projetos, levou à redução de vendas, e contribuiu para seu estresse e desânimo. Não é à toa que a comunicação é hoje uma das habilidades mais valorizadas por empregadores.

Para Fabiana Teixeira, estrategista de comunicação e repórter com experiência nas maiores emissoras do Brasil, primeiro é preciso entender que a oratória não é uma questão de dom, como as vezes é vista, mas sim de treino. “Falar todos podemos, mas para se comunicar e passar com sucesso uma mensagem, é necessário prática e estratégia,” explica.

 Com o mercado cada vez mais competitivo, o destaque que uma boa forma de comunicação traz é necessário e muito procurado por empresas em geral, tanto para passar da fase de uma entrevista, quanto para manter o emprego depois de conquistado.

Pensando nisso, Fabiana dá 5 exemplos de erros comuns que podem ocorrer ao se expressar no ambiente de trabalho, e como corrigi-los:

Não olhar nos olhos

Por mais que você seja tímido, falar olhando nos olhos do outro é algo imprescindível no trabalho, já que o ato demonstra seriedade e interesse no diálogo e caso não feito, pode fazer você parecer pouco comprometido. Comece praticando com pessoas mais próximas, depois com pessoas estranhas e em ambientes sem pressão, como um restaurante ou supermercado. Você vai ver que fica cada vez mais fácil.

Não sorrir

Pode ser que você esteja nervoso, ou até ache que ser sério vai transmitir respeitabilidade, e por isso feche o seu semblante, mas tente pelo menos manter sempre uma feição agradável e simpática. Quem não te conhece, como é o caso de uma entrevista de emprego por exemplo, pode ter uma primeira impressão de antipatia de sua parte. O sorriso abre portas.

Usar vícios de linguagem

O uso de gírias ou expressões como ‘né’ ou ‘tipo’ devem ser evitadas, elas enfraquecem a mensagem. A melhor forma para eliminar o vício de linguagem é perceber o uso excessivo dele. Procure se observar, grave áudios e reconheça o seu perfil comunicador. Procure substituir o ‘né’, ‘então’ e ‘tipo’ por pequenas pausas, o que deixa a comunicação muito mais assertiva.

Postura pouco confiante

Gaguejar, precisar se explicar várias vezes para ser entendido ou ficar com uma postura muito curvada, passam a sensação de falta de confiança, mesmo que você seja uma pessoa confiante.

Sua atitude e maneira de se portar fazem muita diferença em como a pessoa do outro lado irá te ouvir e se ela irá te levar a sério. Tente escrever o que pretende falar e ensaie, seja sozinho ou com alguém que se sinta à vontade. Falar bem é treino.

O corpo grita

O que fazer com as mãos? Elas acompanham a nossa fala, mas devem ter movimentos contidos, nada que chame mais atenção do que a mensagem. Braços cruzados costumam afastar as pessoas e pernas nervosas, balançando, demonstram ansiedade. Tudo comunica, e a linguagem corporal pode ser aliada ou vilã.

Por Fabiana Teixeira, jornalista formada pela PUC-SP e tem experiência como repórter em emissoras como Record TV, TV Bandeirantes, Rede TV e TV Cultura.

Comentários estão fechados.