Veja o que é e como solicitar Empréstimo com Garantia de Imóvel

Há diversas linhas de créditos disponíveis para quem necessita de dinheiro, entre elas o empréstimo com garantia de imóvel

Solicitar um empréstimo à instituição financeira é uma das formas mais usadas por brasileiros que desejam obter dinheiro para alguma finalidade, seja para pagar dívidas, trocar de carro, fazer reformas residenciais ou começar um negócio próprio.  

Há ainda os que recorrem a essa modalidade para aquisição de bens de alto valor. De acordo com o Banco Central, as concessões de novos empréstimos para pessoas físicas para a compra da casa própria somaram R$ 152,8 bilhões de janeiro a outubro de 2021, batendo o último recorde, registrado em todo o ano de 2014. 

No Brasil, a pandemia de Covid-19 foi um dos motivadores para que mais brasileiros passassem a solicitar empréstimos. Segundo levantamento da fintech de crédito pessoal Lendico, 43,4% das pessoas que solicitaram alguma linha de crédito da plataforma em 2020 foram motivadas pela crise sanitária.

Ainda segundo o levantamento, 70% dos solicitantes haviam utilizado o serviço pela primeira vez na vida. Entre os principais motivos para o empréstimo, os clientes informaram perda total ou parcial da renda e compra de itens necessários. 

Há diversas linhas de créditos disponíveis para quem necessita de dinheiro, entre elas o empréstimo com garantia de imóvel. Essa modalidade tem atraído a atenção de quem precisa de um alto valor de empréstimo para os mais diversos fins. 

O que é empréstimo com garantia de imóvel?

O empréstimo com garantia de imóvel, também conhecido como home equity, é uma modalidade em que a instituição financeira empresta determinado valor ao contratante e, em troca, ele oferece uma propriedade como garantia de que a dívida será paga. 

Esse tipo de empréstimo é muito comum nos Estados Unidos e tem ganhado cada vez mais a confiança dos brasileiros. Nesse caso, imóveis residenciais e comerciais podem ser utilizados como garantia e eles não precisam estar quitados. 

Geralmente, o valor concedido pelas instituições financeiras pode ser usado para qualquer finalidade, diferentemente de casos em que o montante deve ser voltado para compra de algo pré-definido no contrato, como um imóvel ou veículo. 

Durante a vigência do contrato, o imóvel ainda poderá ser utilizado pelo proprietário, para moradia, para alugar ou abrir um comércio na propriedade. Nesse caso, o bem fica alienado à instituição financeira até o pagamento total da dívida, no processo chamado de alienação fiduciária. Após a quitação da dívida, o imóvel volta para o nome do proprietário. 

A propriedade posta como garantia pode ser vendida durante a vigência do contrato, porém, o proprietário deverá pagar a dívida ao banco ou o novo proprietário terá que assumir o restante do valor devido. Todo esse processo é feito de forma legal e registrado em cartório. 

Entre as vantagens dessa modalidade estão  as taxas de juros, que costumam ser mais baixas em comparação com outras opções de linhas de créditos disponíveis no mercado, justamente por ter um bem de alto valor como garantia. Além disso, os prazos para pagamento costumam ser mais longos,  podendo chegar a até 20 anos. 

O dinheiro do empréstimo varia de acordo com valor do imóvel posto como garantia. Assim, a propriedade será avaliada por uma empresa especializada que vai determinar quanto o imóvel vale financeiramente. A partir daí, a instituição financeira pode conceder até 60% do valor do imóvel ao contratante. Além disso, alguns bancos delimitam um valor mínimo de empréstimo concedido. 

Outro ponto é que, no empréstimo com garantia de imóvel, as parcelas podem ser fixas ou decrescentes, dependendo do tipo de amortização disponível na instituição e escolhida pelo cliente. No caso das parcelas decrescentes, o valor vai reduzindo à medida em que as parcelas são pagas mensalmente. Entretanto, deve-se avaliar se a instituição em que você pretende solicitar o empréstimo oferece essa opção. 

Apesar das vantagens, é importante entender que, caso a dívida não seja paga, a instituição financeira pode solicitar o imóvel posto como garantia. Ou seja, existe o risco de perda da propriedade. 

Entretanto, o banco prioriza a renegociação da dívida com o credor, pois o processo de posse do imóvel gera custos para a instituição. É mais vantajoso que o proprietário permaneça com o imóvel. Se mesmo com as negociações o credor não pagar a dívida, o imóvel é tomado e pode ser levado a leilão para cobrir as dívidas com o banco. O que sobrar é devolvido ao proprietário.  

Para não correr esse risco, é essencial ter um bom planejamento financeiro antes de contratar o serviço. Por exemplo, uma reserva financeira servirá para cobrir a dívida por um tempo em casos de imprevistos, como diminuição de renda. 

Também é necessário entender que o processo de solicitação desse tipo de crédito leva mais tempo que empréstimos pessoais e consignados.. Como são necessários vários processos burocráticos, como análise de crédito e avaliação do imóvel, essa não é uma opção para pessoas que precisam utilizar o dinheiro de forma imediata. 

É importante ter um objetivo claro para utilizar o dinheiro, pois será uma dívida em que, caso não seja paga, pode levar a perda do imóvel. Se você deseja solicitar pouco dinheiro, não vale a pena optar por essa modalidade. Por outro lado, caso necessite de um alto valor, o empréstimo com garantia de imóvel pode ser uma boa opção. 

Como solicitar o empréstimo com garantia de imóvel? 

Colocou os prós e os contras na balança e decidiu pelo empréstimo com garantia de imóvel? O próximo passo é escolher a melhor instituição financeira e dar entrada no processo. Será necessário fazer uma simulação de empréstimo e enviar uma proposta de crédito para a instituição financeira. 

Depois, o banco entrará em contato com o contratante para dar andamento ao processo, solicitando a documentação (do solicitante e do imóvel posto como garantia) para fazer análise de crédito e também para realizar a avaliação do imóvel. 

Caso o empréstimo seja aprovado, o contrato será emitido. Com o contrato assinado e registrado em cartório, a instituição financeira libera o valor na conta do contratante dentro de poucos dias. É importante destacar que o contratante terá gastos com o serviço de avaliação do imóvel e com custos cartorários. 

Para ter a solicitação aceita, estar com a documentação em dia é fundamental. A papelada exigida varia de instituição, mas é comum que sejam solicitados: documentos pessoais, comprovante de renda do solicitante, Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e matrícula atualizada do imóvel.

Comentários estão fechados.