Ação da Via varejo tem negociação suspensa após denúncia de fraude contábil

Desde que a família Klein retomou o controle da Via Varejo, a dona das Casas Bahia e do Ponto Frio tem reconquistado gradualmente a confiança do mercado, que aposta numa virada na gestão da empresa. Mas possíveis problemas na contabilidade da companhia pode mexer com os brios dos investidores.

Há pouco, a própria Via Varejo informou ter recebido denúncias anônimas quanto a supostas irregularidades contábeis — essas informações foram repassadas à empresa entre o fim de setembro e o começo de outubro. E, como resultado, um comitê de investigação foi estabelecido para examinar o conteúdo dessas acusações.

Como resultado, as ações ON da Via Varejo (VVAR3) passaram a despencar. Antes de as informações se tornarem públicas, os papéis operavam em queda de 1,55%, a R$ 6,98. Mas, por volta de 12h40, os ativos da empresa já despencavam cerca de 9%, a R$ 6,45.

A varejista ressalta que esse comitê é assessorado por consultores independentes. Uma primeira fase de análise já foi concluída e, segundo a companhia, não confirmou as alegações de irregularidades contábeis — no entanto, uma segunda etapa de investigação ainda está em andamento.

A Via Varejo ainda destaca que, até o momento, essa nova fase também não encontrou qualquer sinal de fraude nos livros contábeis da empresa. Assim, a dona das Casas Bahia e do Ponto Frio diz que, por mais que as investigações ainda não tenham terminado, a divulgação do balanço referente a terceiro trimestre deste ano não será adiada.

Os números trimestrais da varejista serão reportados nesta quarta-feira (12), depois do fechamento dos mercados — a teleconferência com analistas e investidores está prevista para amanhã, às 14h00 (horário de Brasília). Analistas projetam um aumento no prejuízo líquido da companhia na base anual.

Com Informações de Suno Notícias, Ibovespa