Vitamina C: Conheça quais os tipos e seus benefícios para a saúde

0

Herpes, erupções cutâneas, gengivite e escorbuto. As propriedades do ácido ascórbico, a vitamina C, podem ser aplicadas em diversas situações, da potencialização do sistema imunológico ao envelhecimento precoce da pele.

Estudo publicado na Revista de Ciências Médicas da PUC de Campinas indica que a vitamina C é capaz de modular a resposta imune do organismo humano em vários níveis, inclusive produzindo anticorpos. 

Pesquisa divulgada na HU Revista, periódico do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mostra que o ácido ascórbico pode ser útil na recuperação dental após o uso de alguns tipos de clareamento.

Encontrada em qualquer farmácia em diversas apresentações, a substância foi descoberta em 1932 por um cientista húngaro e é conhecida por auxiliar na reconstrução de tecidos, órgãos e vasos do organismo humano.

A substância é conhecida por sua ação antioxidante – eliminando os radicais livres – e seu uso é associado à prevenção de problemas de saúde a longo prazo, como osteoporose e derrames. 

Um organismo em falta de vitamina C pode apresentar diversos problemas. Desde maior frequência de resfriados e gripes – pela fraqueza do sistema imunológico -, pele ressecada, cabelos quebradiços até ossos fragilizados.

A pessoa com deficiência na substância tende a ficar mais cansada e desanimada ao longo do dia, já que o componente ajuda a dar energia e evitar o sentimento de fadiga. 

Uso da vitamina C

A vitamina C é uma substância popular e bastante conhecida entre os brasileiros, mas muitos fazem uso da substância sem orientação.

De acordo com a Ingestão Diária Recomendada (IDR) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é indicada a ingestão de 100 mg por dia, mas a dosagem pode variar de acordo com o gênero, idade e peso. As orientações de nutricionistas ou nutrólogos tornam melhores os resultados.   

Absorção da vitamina C

O corpo humano não é capaz de produzir a vitamina C e é necessário obtê-la por meio da alimentação e uso de suplementos. Além de não ser naturalmente sintetizada pelo organismo, a substância relativamente frágil, pois oxida rapidamente em contato com a água e o ar. 

Para evitar a volatilidade, diversos derivados da vitamina foram criados para serem inseridos na dieta.

O objetivo é garantir o aproveitamento máximo dos benefícios que a substância pode trazer.

Dentro da classe de derivados, os mais comuns são a vitamina C lipossomal, a tamponada e a com adição de rose hips.

Vitamina C lipossomal

Um dos motivos pelos quais a vitamina C não é absorvida no organismo deve-se ao fato de ser composta por moléculas hidrossolúveis, ou seja, com alta capacidade de se dissolver na água.

Dessa forma, as células do corpo, envolvidas por membranas de ácidos graxos, não conseguem absorvê-las em sua totalidade. Uma alternativa indicada para potencializar essa absorção é usar vitaminas do tipo lipossomal. 

A vitamina é revestida por lipossomas – pequenos organismos, formados por fosfolipídios – que conseguem atravessar mais facilmente a camada dos ácidos celulares. Um estudo do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos afirma que as vitaminas lipossomais podem potencializar a absorção do princípio ativo em até 75%. Assim, os benefícios são intensificados.

Alguns dos resultados mais procurados é o efeito antioxidante, para o combate aos radicais livres, que são neutralizados pelos elétrons presentes nas vitaminas. A reação previne diversas doenças, principalmente relacionadas ao coração e ao cérebro. 

Vitamina C tamponada

A forma pura da vitamina C é o ácido ascórbico. Apesar desse composto ter a acidez relativamente leve, ainda pode ser uma questão para quem apresenta problemas no trato gástrico. 

A vitamina C tamponada surge como uma alternativa para estes casos. Neste composto, o ácido ascórbico é adicionado de sais minerais, aproximando o pH da substância ao fator alcalino.

A vitamina C com redução da acidez pode ser útil principalmente para pessoas que sofrem com refluxos, úlcera ou quaisquer outros problemas gástricos.

Assa combinação intensifica a absorção de cálcio e magnésio, normalmente perdidas na ingestão da vitamina. 

Vitamina C + Rose Hips

Há ainda a composição de vitamina C com rose hips. Conhecida também como “rosa canina”, a planta é usada há milhares de anos para fins terapêuticos. S

ua própria composição conta com ácido ascórbico, além de vitamina B, taninos e flavonoides – compostos bioquímicos encontrados em muitos vegetais, hortaliças, frutas e grãos. O resultado é uma substância com alto fator vitamínico e fonte de sais minerais. 

Inserir vitamina C com rose hips na dieta pode ajudar a potencializar os efeitos clássicos da substância pura.

Além disso, o composto é utilizado para tratamentos renais e intestinais – atuando com leve efeito laxante. 

A recuperação de tecidos e a cicatrização também tendem a ser aceleradas com o uso contínuo da vitamina. Seu gosto é considerado agradável e, assim, fácil de ser adaptado para o dia a dia.