8 a cada 10 pacientes com câncer de boca são ou foram tabagistas

Mais comum em homens a partir dos 40 anos, o câncer de boca é diagnosticado tardiamente em 70% a 80% dos casos

O câncer de boca, também conhecido como câncer de cavidade oral – região que contempla gengivas, língua, lábio, soalho bucal (a parte que fica embaixo da língua), palato duro (céu da boca), e a área atrás dos dentes do siso (retromolar) – é o tumor de cabeça e pescoço mais comum entre os homens. Para 2022, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA) são esperados 11.200 novos casos de câncer de homens e 4.010 em mulheres, ou seja, a doença quase 3 vezes mais comum no sexo masculino. Sua maior prevalência é em homens acima de 40 anos.

A principal etiologia (causa) é o uso de tabaco sob qualquer forma – cigarro, charuto, cachimbo, narguilé – associado ao consumo regular de bebida alcoólica, principalmente destilados. O fumante passivo também tem risco de desenvolver a doença. “Os trabalhos mostram que oito entre dez pessoas com câncer oral têm histórico de tabagismo”, alerta o oncologista clínico Thiago Bueno de Oliveira, presidente do Grupo Brasileiro de Câncer de Cabeça e Pescoço (GBCP).

Outros fatores de risco para o desenvolvimento do câncer oral são exposição ao sol sem proteção, excesso de gordura corporal, infecção pelo papilomavírus humano (HPV), relacionado principalmente ao câncer de orofaringe (garganta), que é transmitido pelo contato sexual, nesse caso, de forma oral.

ATENÇÃO AOS SINAIS

O GBCP realiza neste Julho Verde a campanha “Sinais que podem mudar histórias”, com uma programação especial de conteúdo sobre prevenção, diagnóstico e tratamento dos diferentes tumores que acometem a região de cabeça e pescoço. O conteúdo completo da campanha, disponível para download gratuito, clicando aqui!

Os principais sintomas de câncer de cavidade oral, que podem variar de acordo com a localização e estágio da doença, são:

  • Leucoplasia: área esbranquiçada na cavidade oral, parecida com uma afta, que não melhora
  • Eritroplasia: mancha vermelha persistente na cavidade oral, que pode sangrar
  • Ferida na boca que não cicatriza, após 15 dias
  • Perda ou amolecimento de dentes
  • Nódulo no pescoço
  • Massa ou nódulo na língua, nas gengivas ou no rosto
  • Dificuldade para mexer a língua, mastigar ou engolir alimentos
  • Mau hálito constante
  • Perda de peso inesperada

Esses sintomas nem sempre indicam que existe um câncer de boca, mas é preciso consultar um dentista (estomatologista) ou médico especialista em cirurgia de cabeça e pescoço para uma avaliação mais precisa.

Ao observar alguma alteração suspeita é importante buscar avaliação de um médico otorrinolaringologista ou dentista. Após o exame clínico, se houver suspeita do câncer, será necessária a realização de biópsia. Nesse procedimento remove-se parte da área suspeita de câncer para análise microscópica. Esse tipo de exame pode exigir o uso de anestesia local ou geral, a depender da localização do tumor. Com diagnóstico precoce, as chances de cura (o paciente estar vivo cinco anos após o diagnóstico) superam os 90%.

PREVENÇÃO 

Cerca de 30% dos casos de câncer de cavidade oral poderiam ser evitados com a adoção de algumas medidas.

  • Não fumar
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Manter o peso corporal adequado
  • Manter boa higiene bucal
  • Usar preservativo (camisinha) na prática do sexo oral
  • Tomar a vacina contra o Papilomavírus Humano-HPV
Fonte: Grupo Brasileiro de Câncer de Cabeça e Pescoço
Fonte: Grupo Brasileiro de Câncer de Cabeça e Pescoço

O Grupo Brasileiro de Câncer de Cabeça e Pescoço é uma organização sem fins lucrativos estabelecida por meio da colaboração voluntária de seus membros, profissionais da área da saúde envolvidos na jornada de cuidado do paciente com tumores de cabeça e pescoço. 

Comentários estão fechados.