A portaria remota como alternativa nos condomínios

Confira as vantagens e desvantagens de um sistema de portaria remota

A portaria remota, também conhecida como portaria virtual ou porteiro eletrônico, já é uma realidade nos condomínios mais modernos do Brasil. No lugar de um porteiro presencial, há um sistema de câmeras de vigilância e interfones, gerenciado por uma central eletrônica que  controla os acessos dos moradores, visitantes, funcionários e prestadores de serviço ao edifício. “No começo de 2018 recebíamos cerca de 60 pedidos de orçamento para portaria remota por mês, agora estamos recebendo cerca de 130 solicitações mês.”, informa Danilo Santos do portal especializado Guia da Portaria Remota.

E como é que ela funciona?

Tecnologia: essa é a palavra-chave. O morador envia um código para o celular de quem ele vai receber e, assim, a entrada é checada e liberada eletronicamente pela central, com registro por imagem de todos os acessos de veículos e pessoas às dependências do prédio.

A liberação da entrada pode ser feita também através de mensagem, aplicativo ou ligação para a central. O morador pode inclusive agendar dia(s) e horário(s) que aquela pessoa terá acesso ao edifício.

Vantagens

Quais são as vantagens e desvantagens de um sistema de portaria remota? 

SEGURANÇA: cadastro de moradores e seus relacionados, checagem eletrônica com imagens e horários de acesso.

CUSTO: por não haver demanda salarial com porteiro físicio, o que pode economizar até 70% do custo mensal com salários e encargos de porteiros.

FUNCIONAMENTO ININTERRUPTO: o sistema funciona 24h, 7 dias por semana, 365 dias por ano, sem pausas. Ao contrário do porteiro físico que frequentemente se ausenta do seu posto, a portaria remota nunca deixa o seu condomínio desprotegido.

Mais privacidade para receber pessoas em casa também pode ser colocado como vantagem. Os acessos são controlados há distância por funcionários da central que não possuem nenhuma convivência com os moradores.

Desvantagens

Quanto às desvantagens, é preciso dizer que como todo sistema dependendente de tecnologia, quedas de energia e bugs podem afetar seu desempenho e causar transtornos cotidianos, em caso de não haver um sistema no break, o que faz com que a portaria eletrônica não seja recomendada para condomínios com mais de 40 unidades. 

Os administradores acabam ficando sobrecarregados para resolver problemas que não ocorreriam com o porteiro presencial e passa-se a achar que o barato sai caro.

Encomendas

A entrega de encomendas é o que tem se mostrado o maior desafio para quem pretende investir em uma portaria remota. A presença de um zelador ainda se faz necessária e ele precisa estar conectado à portaria a todo instante, ou seja: o ideal é que o condomínio possua wi-fi com a disponibilização de um ramal VoIP (Voz sobre Protocolo de Internet), para o caso de não haver os chamados armários eletrônicos.

Armários eletrônicos

Moradores que se sentem mais afeitos à tecnologia podem optar pelo uso de armários eletrônicos, também chamados de armários inteligentes. Ao chegar ao edifício, o entregador acessa uma tela, escolhe o apartamento e um tamanho de porta, que possui sensores, para deixar o pacote. O condômino recebe uma notificação por um QR Code que autoriza a abertura da porta. 

E não se esqueça, antes de contratar, faça pelo menos 5 cotações de preços com as melhores empresas de portaria remota de SP.

Comentários estão fechados.