Aposentadoria: Averbação do tempo de serviço pode aumentar o valor do benefício

Compartilhe
PUBLICIDADE

Mesmo com a reforma da previdência, trabalhadores continuam tendo a garantia de averbar o tempo de serviço e de contribuição feito em regimes de previdência distintos, deste modo conseguindo obter melhor renda mensal de aposentadoria e até mesmo não trabalhando mais que o necessário. Para tanto é preciso fazer os procedimentos de maneira adequada, dentro da legalidade.

A advogada especialista em Direito Previdenciário, Fátima Domeneghetti, do escritório Domeneghetti Advogados Associados, explica que a averbação do tempo de contribuição, nada mais é que do que o ato de incluir junto ao sistema de previdência a que o servidor ou segurado está vinculado, por exemplo o  Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), o período de contribuições feitas em outro regime, como o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou vice versa.

“Averbar o tempo de contribuição advindo de outro regime jurídico é possível e deve ser feito pelo servidor ou segurado do INSS para aumentar o tempo de contribuição e evitar ter que trabalhar bem mais do que o necessário para se aposentar”, esclarece Fátima.

Para exemplificar, a advogada cita o caso de um servidor que antes de ser aprovado em concurso público trabalhou 20 anos na iniciativa privada contribuindo para o INSS. Após 15 anos de contribuição ao RPPS, de acordo com Fátima, o servidor poderá requerer a aposentadoria no serviço público. “Para isso ele averbará no RPPS os 20 anos de contribuição do INSS, totalizando assim 35 anos de contribuição”, explica.

No exemplo citado, caso o servidor não faça a averbação dos 20 anos de contribuição do INSS no RPPS, ele terá que continuar a contribuir por mais 20 anos no serviço público para requerer a aposentadoria. “A averbação do tempo de contribuição é a saída para que o servidor ou segurado do INSS aumente seu tempo de contribuição e com isso possa se aposentar da melhor forma possível”, afirma Fátima.

O mesmo acontece com o servidor que iniciou a carreira no serviço público e, de repente, resolveu voltar para a iniciativa privada. A advogada especialista no Direito do Servidor Público e sócia do escritório Domeneghetti Advogados Associados,  Sharon Adriano, lembra que aquele período no serviço público pode e deve ser aproveitado no momento da aposentadoria no INSS.

Sharon destaca ainda que é importante que o servidor ou segurado do INSS conheça o que pode e o que não pode ser averbado. “No caso do servidor, um exemplo prático do que não pode averbar é o tempo de contribuição realizado no mesmo período em regimes diferentes, também chamado de períodos concomitantes e que gerem prejuízo ao erário público”, explica Sharon.

Averbação parcial

O tempo de contribuição também pode ser averbado de forma parcial. Por exemplo, se o servidor trabalhou por cinco anos no Regime de Previdência Social e quer aproveitar somente dois anos para complementar seu tempo no serviço público, é possível. Sharon lembra que tanto a Previdência Social quanto o Regime Próprio admitem essa situação, ou o inverso.

“É importante esclarecer que não podemos utilizar o mesmo tempo de contribuição para regimes diferentes. No momento em que houver a averbação em num regime, o outro regime não poderá ser beneficiado” aponta Sharon.

Desaverbação

Pode soar estranho, mas outro tema bastante frequente, de acordo com as advogadas, é a desaverbação do tempo de contribuição. Isso porque, muitas vezes, o servidor, tem excesso de tempo de contribuição e ele não é aproveitado para formar outro benefício previdenciário.

Um exemplo prático é de um servidor homem, que tem 45 anos de contribuição no serviço público, sendo que precisa somente de 35 anos. “Neste caso, o servidor pode retirar essa sobra, no caso 10 anos de tempo de contribuição, e levá-la para o INSS, a fim de formar outro benefício previdenciário. Porém, nesse momento o servidor também deverá se aposentar no serviço público”, afirma Fátima.

As advogadas lembram que para todos esses manejos de averbar e desaverbar tempo de contribuição, o servidor deverá efetuar previamente um bom planejamento previdenciário, para que o benefício de aposentadoria possa sempre ser o mais vantajoso possível e com melhor aproveitamento das contribuições.

A advogada Fátima Domeneghetti, do escritório Domeneghetti Advogados Associados, é especialista em Direito Previdenciário.
A advogada Sharon Adriano, sócia do escritório Domeneghetti Advogados Associados,  é especialista no Direito do Servidor Público.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação