var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Auxílio Brasil deve continuar pagando R$ 600 em 2023

Para manter o Auxílio Brasil no valor de R$ 600, proposta visa tirar algumas despesas do teto de gastos

Compartilhe
PUBLICIDADE

O programa Auxílio Brasil está programado para pagar R$ 600 aos beneficiários até o mês de dezembro, o novo valor corresponde a um adicional de R$ 200 cedido pelo governo após aprovação da PEC kamikaze.

No entanto, muito se especulava sobre qual seria o valor do benefício no ano que vem, afinal, o adicional de R$ 200 tem vigência apenas até o mês de dezembro, onde, como consequência, o valor do benefício retornaria para R$ 400 em janeiro de 2023.

Todavia, o relator do Orçamento de 2023, Marcelo Castro (MDB-PI), e o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), anunciaram nesta quinta (3) que vão propor aos presidentes da Câmara e Senado a aprovação de uma proposta para retirar do teto de gastos algumas despesas.

Dentre essas despesas, consideradas “inadiáveis” para as quais não há recursos suficientes previstos para o ano que vem, está a manutenção no valor do Auxílio Brasil, para que o mesmo possa seguir com valor de R$ 600 em 2023.

Auxílio Brasil de R$ 600 em 2023

O anúncio ocorreu logo após a reunião para discutir o Orçamento Federal para o ano que vem, a primeira reunião após a vitória de Lula nas eleições. Dessa forma, a proposta manterá recursos para bancar promessas de campanha realizadas por Lula.

Após reunião com Geraldo Alckmin, Marcelo Castro declarou que “Não tem recurso para o Bolsa Família (Auxílio Brasil), para Farmácia Popular, para saúde indígena, para merenda escolar. São muitas as deficiências do Orçamento”.

“Chegamos a um acordo, um entendimento, que não cabe no Orçamento atual as demandas que precisamos atender. Decidimos levar aos líderes, ao presidente da Câmara e do Senado, a ideia de aprovar uma PEC de transição, excepcionalizando do teto de gastos algumas despesas que são inadiáveis, como, por exemplo, o Bolsa Família no valor de R$ 600, que é um compromisso público assumido pelo presidente Lula. E seria inconcebível que as pessoas, 21,6 milhões de famílias, a partir de janeiro recebessem apenas R$ 400”, finalizou Castro.

Além da manutenção no valor pago pelo Auxílio Brasil, a ideia inicial é que a PEC também trate de recursos para o reajuste do salário mínimo, recursos para a farmácia popular, e recursos para merenda escolar.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil