Brasil: O risco de uma inflação significativa afetará o prato dos brasileiros

A possível crise dos preços de um dos principais itens do prato brasileiro tem ressaltado a importância de assegurar que os trabalhadores tenham acesso a benefícios extras para consumos de itens essenciais

Compartilhe
PUBLICIDADE

Em meio a uma conjunção de fatores climáticos adversos e decisões geopolíticas que impactam diretamente a produção e o comércio mundial de arroz, o Brasil e outros países arriscam enfrentar uma inflação significativa no preço desse grão que é tão tradicional nos pratos brasileiros.

Nos últimos meses, a combinação de seca persistente, ondas de calor intensas e chuvas irregulares ao longo do território brasileiro têm afetado negativamente a produção de arroz, contribuindo para uma redução na oferta interna.

Esses eventos climáticos extremos levam a perdas consideráveis nas colheitas, resultando em um desequilíbrio entre a demanda crescente e a oferta limitada.

A Índia

Outro fator crítico para essa equação é a recente decisão da Índia, responsável por aproximadamente 40% do comércio mundial de arroz, de bloquear temporariamente suas exportações desse grão.

Essa medida, motivada por questões geopolíticas, gera uma pressão adicional sobre o mercado global, exacerbando a escassez e impulsionando os preços para níveis alarmantes.

Leia também: Mercado Reduziu Previsão Da Inflação Para Este Ano

Frente a este cenário, de acordo com dados da pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) revelou que, somente no último mês, o preço do arroz registrou um aumento significativo de 3,41%.

Em uma análise mais ampla, observa-se uma elevação alarmante de 18,25% nos últimos doze meses.

Alerta para os produtores e consumidores

A situação tem gerado preocupação entre os consumidores, agricultores e autoridades governamentais, que buscam soluções para mitigar os impactos dessa iminente inflação no custo de vida e na segurança alimentar.

Especialistas alertam que a conjunção de eventos climáticos extremos e decisões geopolíticas inesperadas destaca a vulnerabilidade da cadeia de suprimentos alimentares globais. 

Em um panorama onde a alimentação básica da população está em risco, a garantia de benefícios adicionais ao salário para os trabalhadores, como o auxílio-alimentação, ganha relevância enquanto aliado para ajudar milhares de consumidores a contornar a crise e não deixar de colocar arroz no prato.

Leia também: Inflação De Outubro Foi Puxada Pelas Passagens Aéreas 

Para Matheus Rangel, CGO da Niky, a flexibilidade pode ser a chave para fazer com que cada vez mais empresas adotem benefícios para seus colaboradores e contribuam ainda mais para a dinâmica econômica, tendo em vista que — a partir da flexibilização na atribuição de benefícios  — os próprios gestores podem definir o budget destinado a cada setor e, assim, permitir que os trabalhadores possam acessar diferentes soluções que facilitam seu dia a dia, os empoderam financeiramente e aumentam seu contentamento com as companhias.

 “Diante do cenário desafiador que temos enfrentado, a gestão eficiente dos benefícios flexíveis se torna ainda mais crucial para empresas e colaboradores. Estamos atentos às oscilações do mercado e cientes de que a alimentação é um componente vital desses programas. Na Niky, estamos trabalhando de perto com nossos clientes para ajustar estratégias, garantindo que os benefícios oferecidos estejam alinhados com a realidade econômica atual. Além disso, exploramos alternativas e parcerias estratégicas para minimizar os impactos nos orçamentos destinados à alimentação dos colaboradores, mantendo o compromisso de promover bem-estar e qualidade de vida. É um desafio complexo, mas a flexibilidade e agilidade são fundamentais nesse momento”, explica Rangel.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação