Confira um panorama da Reforma Tributária para 2022

Para 2022, a questão acerca da Reforma Tributária deve retomar o debate público, expondo a urgência por mudanças abrangentes no sistema tributário brasileiro

Compartilhe
PUBLICIDADE

Quando buscamos entender mais sobre o sistema tributário brasileiro, frequentemente nos deparamos com análises críticas, principalmente no que se refere à complexidade, disfuncionalidade e extensão de sua estrutura, características que dificultam um entendimento prático e, como consequência disso, o cálculo e o pagamento de impostos por parte do contribuinte e, sobretudo, das empresas.

Dentro desse contexto, são altas as expectativas acerca da Reforma Tributária proposta em 2021, que se apresenta com o objetivo de simplificar o sistema, extinguindo tributos como IPI, PIS/Cofins, ISS e ICMS por um único, o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS). A ideia é que tal ajuste possa favorecer as empresas e sua competitividade, além de atribuir mais modernização à estrutura e possibilitar um maior crescimento econômico no ambiente brasileiro.

E o cenário é propício para que os benefícios consequentes da reforma sejam objetivos. De acordo com um ranking do Banco Mundial, que avaliou a facilidade no pagamento de impostos em 190 países, o Brasil ocupa, atualmente, a 124ª posição. Claramente, não se espera que todos os problemas sejam resolvidos instantaneamente ou que não apareçam novos desafios a serem solucionados, mas a perspectiva, em um primeiro momento, é positiva.

Ainda avaliando análises de mercado, segundo um estudo realizado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em um cenário em que a reforma tributária seja exitosa, o crescimento adicional do PIB do país pode alcançar 12% em 15 anos, o que equivaleria a R$ 1 trilhão a mais no resultado esperado para 2021. Para as pessoas físicas, também se espera um impacto positivo: uma adição de R$ 4,8 mil na renda média anual dos brasileiros.

Além dos impactos de ordem financeira, também é muito esperada, como comentado, a atribuição de maior funcionalidade e transparência ao sistema tributário brasileiro. Hoje, o contribuinte não tem plena certeza de quais impostos estão sendo pagos no consumo de produtos e serviços e qual o destino das tributações. Ademais, com cobranças diferentes aplicadas entre os vários setores produtivos, cria-se um ambiente de negócios ineficiente e pouco favorável ao crescimento de empresas.

Questões em aberto

Apesar de um entusiasmo inicial a respeito da Reforma Tributária, algumas questões ainda demandam esclarecimentos. A princípio, a proposta principal de reforma que está em pauta no Congresso Nacional — PEC 110/2019, que deve ser votada no início de 2022 — trata muito mais da simplificação da cobrança de impostos e, portanto, não desoneram, de fato, a alta carga tributária imposta.

Outro ponto sob discussão é o fato de que a criação de um imposto único retira a autonomia de gestão de orçamentos por parte de estados e municípios e cria uma disputa em relação ao ISS e ICMS, dentro de um contexto de disputa política.

Outro ponto que vem sendo criticado diz respeito à cobrança de alíquota de 15% de Imposto de Renda sobre a distribuição de dividendos nas empresas, ponto que, se aprovado, na prática, pode aumentar a carga tributária de uma série de organizações.

Levando em consideração as questões apresentadas acima — e tudo aquilo que já foi discutido sobre o assunto nos cadernos de economia ao longo de 2021 –, é muito clara a necessidade de revisão e uma consequente reformulação efetiva do sistema tributário brasileiro (uma demanda que existe há décadas no país), mas também de uma maior discussão sobre o tema com esferas da sociedade civil.

Se por um lado os benefícios são muito claros, ainda é necessário que os termos sejam mais bem esclarecidos e as propostas apresentadas não simplifiquem apenas a estrutura de cobrança, mas busquem, também, uma transformação efetiva, atribuindo mais transparência, funcionalidade e redução de tributos para o contribuinte brasileiro que, já há muitos anos, sofre para lidar com um dos sistemas tributários reconhecidamente mais complexos do mundo.

 Por Roberto Cardone é Sócio no FNCA Advogados. Formado em Direito, o executivo possui mais 20 anos de experiência no ramo jurídico, com especialização em direito tributário e foco no suporte às empresas e atividades de consultoria, administração e gestão empresarial.

Consolidado no mercado desde 2007, o FNCA — Fernando, Nagao, Cardone, Alvarez Jr. & Advogados, exerce a advocacia empresarial e se destaca pelo atendimento personalizado, de acordo com as demandas de cada cliente.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação