Controle de finanças: Corte de despesas é a iniciativa de 9 em cada 10 brasileiros

Pesquisa revela que 73% dos lares no país conversam sobre os gastos com frequência; Famílias do norte e nordeste adotam mais a prática da conscientização

Compartilhe
PUBLICIDADE

Final de ano chegando e muitas famílias começam o tradicional balanço das contas e a projeção para 2024.

Quando tratamos de famílias brasileiras, estamos falando de mais de 200 milhões de habitantes, divididos em 26 estados e 1 distrito federal que possui a quinta maior extensão territorial do mundo.

Segundo pesquisa realizada pelo Serasa Comportamento, em parceria com a Opinion Box, quando o assunto é equilibrar as contas, 9 em cada 10 brasileiros cortam despesas em busca do equilíbrio financeiro.

Em 73% dos lares brasileiros o assunto é discutido com frequência na mesa, principalmente em Roraima (81%), Piauí (79%), Amapá (78%), Acre e São Paulo com (77%).  

Para Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor da Multimarcas Consórcios: “O corte de despesas é o último estágio que se deve fazer em suas finanças. É necessário um planejamento financeiro para organizar suas despesas com antecedência, e se possível fazer uma reserva de emergência para os meses com maior volume de gastos”.

Divisão demográfica

O brasileiro se preocupa com a organização financeira, 85% dos entrevistados têm costume de realizar controles das suas finanças, 6 em cada 10 fazem todos os meses. 11% diz que nunca fez um controle de gastos.

Os estados acima da média foram Piauí, São Paulo, Rio Grande do Sul e Goiás. 

Leia também: 3 Aplicativos De Finanças Pessoais Para Auxiliar Na Organização

Enquanto os brasilienses se preocupam mais em não se endividar (51%), os mineiros preferem uma reserva de segurança (45%).

Já os gaúchos buscam melhorar a gestão do seu dinheiro (46%) e os potiguares preferem quitar dívidas (36%). 

“A organização de finanças tem como maior objetivo auxiliar esses consumidores a evitar o endividamento, ter uma reserva de dinheiro para casos de emergência e melhorar a gestão do uso do capital”, destaca Lamounier. 

Despesas desnecessárias

Dentre as práticas de organização das finanças adotadas pelos brasileiros, é possível identificar um comportamento reativo dos consumidores, como o corte de despesas desnecessárias.

 Além disso, 72% fazem ou já fizeram reserva para investimentos ou poupança, no entanto, não existe uma cultura no país em buscar cursos de educação financeira – prática adotada por apenas 3 em cada 10 consumidores. 

Leia também: Confira As Profissões Em Alta Na Área De Finanças E Contabilidade

Com base nos dados divulgados, 85% dos brasileiros passaram por pelo menos uma situação de desequilíbrio financeiro nos últimos 12 meses.

Destes, 21% declararam que gastaram mais do que deviam, 20% renegociou o pagamento de alguma dívida ou parcelaram a fatura do cartão de crédito, 19% atrasou a fatura do cartão porque não tinha como pagar no momento e 16% teve que priorizar uma dívida mais importante em relação a outra. 

Empréstimos e créditos

A busca por crédito é comum entre os consumidores, já que 3 em cada 4 brasileiros já contrataram em algum momento da sua trajetória financeira.

53% dos entrevistados usaram limites oriundos do cartão de crédito, que corroboram ao alto índice de inadimplentes no mercado, 48% optaram por empréstimo pessoal e 21% usaram créditos consignados.  

Leia também: As Finanças Impactam O Fluxo De Caixa Simples Do Negócio

“Os brasileiros vêm utilizando o crédito para compras do dia a dia e a capacidade de parcelamento levou-os a acreditar que ao dividir uma compra a dívida fica menor, quando na realidade, as pessoas estão apenas antecipando as dívidas do próximo mês”, explica o especialista.

A motivação para pedir um crédito no mercado é motivado pela maioria para quitar dívidas (35%), limpar o nome de restrições em órgãos de proteção ao crédito (21%), para uma despesa emergencial (19%), cuidar da saúde (12%) e fazer compra no supermercado (10%).

A pesquisa revelou que os brasileiros mais otimistas estão no Amazonas, Pará, Roraima e Amapá. Já Maranhão, Pernambuco e São Paulo têm os menores indicadores. 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação