Decisão do TST obriga Rappi a registrar entregador como funcionário CLT

A Rappi ainda pode entrar com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Compartilhe
PUBLICIDADE

No dia 15 de setembro, a 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) reconheceu o estabelecimento de uma relação de emprego entre um entregador e a empresa de entrega de alimentos, Rappi.

A determinação está relacionada a uma ação movida pelo trabalhador contra a empresa, e é importante observar que há a possibilidade de apresentação de recurso.

Em resposta ao G1, a Rappi afirmou que discorda da decisão proferida pelo TST e planeja recorrer da mesma.

A empresa também destacou que já obteve uma decisão favorável da Justiça do Trabalho da 2ª Região, alegando que não existe vínculo entre a plataforma e os entregadores, em relação a uma ação civil pública iniciada pelo Ministério Público do Trabalho contra a Rappi.

Além disso, a Rappi enfatizou que considera fundamental o debate sobre a relação entre entregadores e plataformas e está ativamente colaborando com um grupo de trabalho (GT) que está discutindo esse assunto.

No acórdão, a ministra relatora Kátia Magalhães Arruda apontou que há elementos que indicam a existência de uma relação de emprego no caso deste entregador, tais como a realização de trabalho por uma pessoa física, de forma pessoal, contínua, sob subordinação e mediante remuneração.

Leia Também: Rappi: Veja O Passo A Passo De Como Cadastrar A Sua Empresa No App

Caso Uber

Na mesma semana da decisão imposta a Rappi, a Justiça do Trabalho determinou que a Uber pague uma quantia de R$ 1 bilhão em danos morais coletivos e também ordenou que a empresa registre as carteiras de trabalho de todos os motoristas cadastrados em sua plataforma no Brasil.

A sentença foi emitida pela 4ª Vara do Trabalho de São Paulo em relação a uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em novembro de 2021, após uma denúncia apresentada pela Associação dos Motoristas Autônomos de Aplicativos (AMAA).

É importante notar que essa decisão não se refere a um trabalhador específico, mas abrange toda a categoria de motoristas que atuam na plataforma da Uber no Brasil.

A Uber tem o direito de recorrer da decisão, e a empresa declarou que “não tomará nenhuma medida até que todos os recursos legais tenham sido esgotados”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil