Desenrola Brasil: Brasileiros preferem o parcelamento aos descontos do pagamento à vista 

Pesquisa registra aumento de 20,25% na escolha de parcelamento, indica a preferência dos beneficiários por opções mais flexíveis

Compartilhe
PUBLICIDADE

Brasileiros endividados preferem parcelar suas dívidas bancárias no Desenrola, é o que aponta uma pesquisa feita pela QuiteJá, empresa de renegociação de dívidas.

 Lançado em julho deste ano pelo Governo Federal, o Desenrola Brasil é focado na renegociação. Em sua primeira fase, contemplava a extinção de dívidas bancárias de até R$100 e a renegociação para pessoas físicas com renda de até R$20 mil e dívidas em banco sem limite de valor.

O programa tem causado grande impacto na saúde financeira dos brasileiros e está em sua segunda fase, marcada pelo lançamento da Plataforma do Programa Desenrola Brasil, que contempla dívidas bancárias e não bancárias — como contas de luz, água, varejo, educação — e beneficiará pessoas que ganham até dois salários mínimos ou que estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo federal (CadÚnico), e que tenham dívidas de até R$ 5 mil.

Levantamento

De lá para cá, a população tem se mostrado cada vez mais interessada na renegociação de suas dívidas.

Conforme o levantamento feito pela QuiteJá, houve um notável aumento de 81,40% no interesse das comunicações sobre o Programa em comparação às comunicações feitas previamente.

“Isso reflete o desejo dos beneficiários de melhorar seu conhecimento financeiro e lidar de forma eficaz com suas dívidas”, afirma Luiz Marchiori, Head de Negócios da QuiteJá..

Lei também:Confira Quanto Foi Renegociado O Mutirão Do Desenrola Brasil

 Além disso, ao analisar as opções de pagamento, a pesquisa revelou uma tendência clara entre os beneficiários.

Houve um aumento de 20,25% na escolha de parcelamento, indicando uma preferência por opções de pagamento flexíveis e uma queda de 37,11% nas opções de pagamento à vista, o que sugere que os beneficiários estão mais inclinados a escolher planos de parcelamento que atendam às suas necessidades financeiras em detrimento de maiores descontos praticados nos pagamentos à vista.

“A educação financeira desempenha um papel crucial na capacitação dos beneficiários para fazer escolhas financeiras informadas e gerenciar suas dívidas de forma responsável”, avalia o executivo.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação