Economia: Fazenda diminui previsão oficial de crescimento do PIB

Estimativa para inflação em 2023 caiu para 4,66%

Compartilhe
PUBLICIDADE

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda revisou para baixo suas projeções econômicas, reduzindo a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2023 de 3,2% para 3%. Essa revisão foi impulsionada pela previsão de estagnação no PIB no terceiro trimestre, em comparação com a projeção anterior de uma expansão de 0,1%. Além disso, o setor de serviços apresentou projeções menos otimistas para o restante do ano. Para 2024, a estimativa de crescimento econômico também foi reduzida de 2,3% para 2,2%.

Apesar desses ajustes para baixo, a perspectiva ainda é de aceleração na atividade econômica no quarto trimestre. Isso se deve ao crescimento de alguns subsetores menos sensíveis ao ciclo econômico e à manutenção do consumo das famílias, impulsionado pelo aumento da massa de renda real do trabalho e por melhores condições de acesso ao crédito.

Leia também: Economia Fica Estagnada No 3º Trimestre, Aponta FGV

As projeções de crescimento variam entre os setores. Para o setor agropecuário, a projeção permanece em 14%, enquanto para a indústria, a estimativa subiu de 1,5% para 1,9%. No entanto, para os serviços, a projeção foi reduzida de 2,5% para 2,2%.

Guilherme Mello, secretário de Política Econômica, destacou a melhora significativa no mercado de crédito após a redução das taxas de juros. Ele observou que tanto a concessão de crédito para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas está mostrando recuperação. Mello também ressaltou a emissão de debêntures no mercado de capitais, indicando uma tendência de crescimento que se aproxima das curvas observadas em 2021 e 2022.

Leia também: O Pix Impulsionou A Economia Em 2023 E Deve Continuar Em 2024

Inflação

A projeção de inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisada para baixo, passando de 4,85% para 4,66%. Essa estimativa encontra-se ligeiramente abaixo da meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o ano, que é de 3,25%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Isso significa que o limite inferior é de 1,75%, e o superior é de 4,75%. Para o ano de 2024, a projeção da inflação avançou de 3,4% para 3,55%.

De acordo com a Secretaria de Política Econômica (SPE), o processo de desinflação ocorreu mais rapidamente do que inicialmente previsto, especialmente nos componentes subjacentes (que desconsideram energia e alimentos), levando a inflação para dentro do intervalo proposto pelo regime de metas já em 2023.

Quanto ao ano de 2024, a projeção para a inflação oficial foi elevada devido ao reajuste do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelos estados das regiões Sul e Sudeste, além de pequenas alterações nas perspectivas para o dólar e os preços das commodities. A SPE também considera os efeitos do fenômeno climático El Niño nos preços de alimentos, energia e etanol.

A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), utilizado para determinar o valor do salário mínimo e corrigir aposentadorias, é de uma variação de 4,04% para este ano, em comparação com a previsão anterior de 4,36% divulgada em setembro. Já a projeção para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que engloba o setor atacadista, o custo da construção civil e o consumidor final, foi ajustada de uma deflação de 3% para uma deflação de 3,3% em 2023, levando em conta a expressiva queda nos preços de alguns alimentos.

Médio prazo

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda atribui a revisão para baixo do crescimento do PIB em 2024, de 2,3% para 2,2%, principalmente ao cenário internacional. O documento destaca que essa mudança reflete o aumento das incertezas no ambiente global devido a conflitos geopolíticos, riscos relacionados à desaceleração do crescimento chinês e a perspectiva de manutenção das taxas de juros nos Estados Unidos em patamares elevados por um período mais prolongado.

No contexto doméstico, a equipe econômica reconhece a desaceleração do setor agropecuário após o desempenho recorde deste ano. O Boletim Macrofiscal ressalta também a perspectiva menos favorável para a safra do próximo ano, conforme indicado pelos prognósticos para 2024. Contudo, a SPE destaca que o aumento da produção e do consumo, impulsionados pela redução das taxas de juros, contribuirá para o crescimento econômico brasileiro em 2024. Nesse cenário, a absorção doméstica (gastos internos) terá um peso maior no PIB em comparação a 2023.

Os dados do Boletim Macrofiscal são utilizados no Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, que será divulgado amanhã (22). Esse relatório, publicado bimestralmente, apresenta previsões para a execução do Orçamento com base no desempenho das receitas, previsão de gastos do governo, PIB e inflação. Com base no cumprimento da meta de déficit primário e no limite de gastos do novo arcabouço fiscal, o governo realiza contingenciamentos (bloqueios) em alguns gastos não obrigatórios.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação