Empresas agonizam na pandemia

Compartilhe
PUBLICIDADE

A pandemia do covid-19 continua causando estragos na economia. Inúmeras empresas estão agonizando e, muitas, se quer conseguiram a recuperação judicial. O motivo é a reforma da Lei criada pela Lei de Falências e Recuperação de Empresa, trazendo mudanças nos procedimentos que acarretaram maior exigência não só para a recuperação, mas também para o pedido de falência.

falência
Empresas Agonizam

A reforma inverteu os princípios da Lei 11.1101/2005 que previam a preservação da empresa instrumento de geração da atividade econômica e de impostos, a proteção dos trabalhadores e da sua renda e a proteção dos interesses dos credores. Para se ter ideia, em 2020, mesmo com o notório impacto provocado pelo isolamento social, o número de recuperações judiciais e falências não tiveram o mesmo aumento, o que seria natural.

Dos mais de 920 processos com pedido de recuperações, 22% não foram autorizados. O principal motivo de rejeição é a falta de atendimento dos requisitos mínimos exigidos para pedir o benefício da recuperação judicial, levando em conta que 86% deles foram de pequenas e médias empresas, que fatalmente são as que mais sofrem em períodos de crise econômica.

Para 2021, a expectativa da retomada da economia é a esperança de todos. Mas, se o governo não conseguir controlar a pandemia e aquecer a economia, com um plano de vacinação eficaz, a inadimplência das empresas e pessoas físicas poderão elevar o número de pedidos de falências e recuperações judiciais a partir do segundo semestre.

Para se ter uma noção da proporção de consumidores endividados no país, de acordo com a última apuração do Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor, em janeiro de 2020, já tínhamos 63,78 milhões de consumidores inadimplentes, com R$ 258,12 bilhões de dívidas negativadas, equivalente a uma dívida média de R$ 4.046,81 por consumidor. Certamente, esses números podem ter tido um aumento significativo até o final do ano passado, quando o desemprego também bateu recorde, com mais de 14 milhões de pessoas.

O cenário ainda é complexo e o que se espera é que o mais rápido possível possamos frear a pandemia e os seus efeitos, alavancando gradativamente a economia. Caso contrário, o sofrimento das empresas permanecerá e os pedidos de recuperação judicial tenderão a crescer, embora as novas regras não ajudem muito os empresários no que diz respeito a esse benefício.

Ubirajara de Barros Júnior

Perito na área contábil, economista e vice presidente do Alto Conselho da APJERJ

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação