Investimento em saúde ajuda a elevar produtividade na empresa!

Medicina preventiva reduz necessidade de afastamento e faltas, bem como aumenta o bem-estar no ambiente laboral

Compartilhe
PUBLICIDADE

A saúde mental e física dos colaboradores é de grande importância para a produtividade das empresas. 22% dos participantes de uma pesquisa realizada pelo NEOP (Núcleo de Estudos em Organizações e Pessoas) da FGV EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas) admitiram ter dificuldade para desempenhar plenamente suas funções no trabalho.

Diante desse cenário, é importante que as empresas adotem medidas voltadas à saúde corporativa, com foco  em medicina preventiva. Essa prática, como o próprio nome sugere, tem como objetivo a aplicação de cuidados para evitar o surgimento de doenças e gerar maior bem-estar entre os colaboradores, numa lógica de prevenção.

“Entendemos que a prevenção da saúde é muito melhor do que o tratamento de uma doença, em todos os sentidos. Quando uma pessoa necessita de tratamento médico avançado, muitas vezes a situação já é considerada grave. Isso gera custos enormes para todas as frentes envolvidas, além de causar danos severos para o paciente”, afirma Marcus Vinicius Todesco, sócio-diretor e responsável pelo serviço de gestão de saúde da Magicel, consultoria de riscos empresariais que provê soluções personalizadas na área de saúde, benefícios e capital humano. 

O investimento em mecanismos de prevenção se apresenta menor do que os custos com colaboradores doentes, fora a redução do registro de faltas e afastamentos e o aumento da produtividade e a melhora no ambiente de trabalho.

Exemplos de práticas de medicina preventiva são campanhas de conscientização periódicas de combate ao tabagismo, pela alimentação saudável e prática de atividades físicas, o zelo pela ergonomia no ambiente de trabalho e a realização de sessões de ginástica laboral e alongamentos durante o dia entre os colaboradores, para citar alguns.

Essas ações, associadas ao acompanhamento periódico do seu médico,  se traduzem em Atenção Primária da Saúde, que são cuidados básicos e essenciais como os realizados pelas UBS (Unidades Básicas de Saúde) e ACS (Agentes Comunitários de Saúde), entre outros. 

Casos mais graves são balizados na Atenção Secundária, que engloba serviços especializados em nível ambulatorial e hospitalar, como apoio diagnóstico e terapêutico e atendimento de urgência e emergência. Por fim, a Atenção Terciária equivale aos procedimentos de elevada especialização e alto custo, como oncologia, cardiologia, oftalmologia, transplantes e afins.

“Um paciente que precisa fazer uso diário de hipoglicemiantes, por ter desenvolvido diabetes, por exemplo, poderia ter reduzido e equilibrado sua taxa de glicose apenas com uma alimentação adequada e mudança no  seu estilo de vida. É exatamente essa realidade que queremos mudar e acreditamos estar no caminho”, finaliza Todesco.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação