Mais de 500 pessoas são internadas com Covid-19 após serem vacinadas

0

Mais de 500 pessoas que receberam suas vacinas de Covid-19 foram internadas no hospital com Covid-19, descobriu um estudo do Reino Unido.

Pesquisadores da Universidade de Liverpool disseram que todos os pacientes receberam uma dose da vacina pelo menos três semanas antes de serem internados.

Eles disseram que os pacientes eram em grande parte frágeis e idosos, enquanto o número de pessoas hospitalizadas representava apenas cerca de 1% das 52.000 pessoas envolvidas na pesquisa.

O relatório avisa: “Pessoas idosas e vulneráveis que estavam se protegendo, podem ter sido expostas e infectadas por meio do processo de vacinação do começo ao fim ou logo após a vacinação por meio de mudanças comportamentais onde erroneamente assumem que estão imunes.”

O estudo descobriu que um total de 526 pessoas foram internadas no hospital e 113 morreram no que a equipe de pesquisa chamou de “falhas na vacina”.

Mas eles notaram que a quantidade de falhas não era surpreendente com base nos resultados dos testes.

Colin Semple, professor de medicina contra surtos da Universidade de Liverpool e um dos autores do estudo, disse ao Times: “As pessoas não deveriam se surpreender com alguma falha da vacina. É o que foi previsto. Isso resulta em tragédia.

As descobertas foram publicadas pelo Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências do Reino Unido.

Os autores apontaram que durante o período coberto pelo estudo, de 8 de dezembro a 10 de março de 2021, as vacinações foram fortemente voltadas para os idosos.

Designed by @pressfoto / Freepik
Designed by @pressfoto / Freepik

As descobertas do estudo ocorrem no momento em que o governo se prepara para descartar as regras polêmicas que proíbem os residentes de asilos de deixarem suas acomodações.

A partir de terça-feira, os residentes poderão deixar as casas de repouso para visitas de “baixo risco”, sem ter que se isolar por 14 dias no retorno.

O Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC) está flexibilizando as regras depois de ser ameaçado com uma ação legal pela campanha de caridade John.

Os ativistas disseram que regras rígidas encorajaram as instituições de saúde a agirem ilegalmente, “aprisionando falsamente” os residentes, com os familiares chamando isso de “bárbaro”.

De acordo com as mudanças, os residentes em visitas externas devem ser acompanhados por um membro da equipe ou por um de seus dois visitantes nomeados, e seguir o distanciamento social durante a visita.

Eles não podem se reunir em grupos ou entrar em ambientes fechados, exceto para o uso de banheiros, e o transporte público deve ser evitado sempre que possível.

Fica entendido que um residente poderá comer fora em um restaurante ou café com seu assistente de saúde ou visitante nomeado, se concordar com a casa de saúde com antecedência.

Os residentes também poderão votar pessoalmente nas próximas eleições locais sem ter que se isolar por 14 dias depois.

O DHSC deve revisar o requisito de auto-isolamento para mais visitas quando atingir a próxima fase do roteiro do governo em 17 de maio.

Novos dados mostram que 95% dos residentes em lares de idosos receberam uma dose de vacina e 71% receberam duas.

O primeiro-ministro Boris Johnson disse: “Sabemos como esta época tem sido desafiadora para os residentes de lares de idosos, então estou satisfeito que agora eles possam deixar suas casas para se reunir com seus entes queridos ao ar livre.

Conteúdo traduzido da fonte Evening Standard por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil