Mais de R$ 1,4 bi em dinheiro físico está fora de circulação no país

Compartilhe
PUBLICIDADE

Mais de R$ 1,4 bilhão em dinheiro físico está fora de circulação no Brasil, o que representa mais de 35% das cédulas e moedas produzidas pela instituição, revela uma estimativa da Sled, fintech de soluções tecnológicas para o varejo, com base em dados do Banco Central.

Por conta disso, no último semestre de 2020, o BC determinou a impressão de mais de R$ 437,9 milhões em dinheiro em espécie para endossar as mais de 6,27 bilhões de cédulas que circulam pelo País.

A medida visa estimular o uso de papel-moeda, forma de pagamento mais utilizada no comércio, mesmo com o avanço da utilização dos meios digitais de pagamento nos últimos anos, como cartões de crédito e débito, carteiras digitais e transferências via PIX. 

O doutor em políticas públicas, docente e coordenador na Faculdade Santa Marcelina, Gustavo Oliveira, explica que a diminuição de moedas em circulação não está relacionada apenas à crise financeira causada pela pandemia do novo coronavírus, mas sim à mudança de hábitos dos consumidores. 

“O hábito do brasileiro de guardar moedas e notas de pequeno valor consolidou a prática do entesouramento, que é acumular pequenas quantias para o uso imediato. No entanto, ao deixá-lo estocado, sem circular ou investir, contribui para a perda de valor ao longo do tempo, pois não sofre reajuste, e também ocasiona o prejuízo aos cofres públicos, devido ao alto custo de produção para novas moedas-físicas entrarem em circulação”, explica Oliveira.

O docente destaca a importância das alternativas digitais para reduzir os impactos da retenção de moedas.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Real, dinheiro, moeda / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

“O troco virtual ou arredondamento de valores visando a doação são princípios de responsabilidade social que podem impulsionar a economia e incentivar a circulação de moedas, assim como o uso de aplicativos de troco e até a oferta de brindes associados ao uso de moedas, que podem torná-la corrente e atrativa no mercado”, afirma.

Alternativas de incentivo

Visando criar serviços para o comércio varejista, a fintech Sled tem criado soluções e desenvolvido ferramentas que estimulam a circulação de moedas, incluindo plataformas que permitem a doação de quantias ou o acúmulo dos valores para uso futuro em uma carteira digital.

“O troco digitalizado se torna um aliado do empreendedor na hora de fechar a venda e uma boa ferramenta para os clientes concentrarem pequenas quantias no próprio CPF para serem utilizadas quando desejarem”, avalia Anderson Locatelli, CEO da Sled.

A solução do troco digital evita o constante problema da falta de moedas e a necessidade de várias sangrias de caixa dos varejistas, naquele momento em que o operador interrompe o seu trabalho para contar o dinheiro, gerando muitas vezes filas indesejadas para os clientes.

O serviço ainda gera mais segurança pela redução de montantes de dinheiros nos estabelecimentos e a diminuição da necessidade de se transportar valores.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil