15°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Estabilidade da Gestante durante o período de contrato de experiência

Estabilidade da Gestante durante o período de contrato de experiência

26/10/2020 às 08h18 Atualizada em 26/10/2020 às 11h18
Por: Ricardo
Compartilhe:

Segundo o artigo 10, inciso II dos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias, a estabilidade é perfeitamente aplicável ao contrato por prazo determinado, porque não visa apenas à proteção da mãe, mas também à do bebê.

Continua após a publicidade

O contrato de experiência é um contrato por prazo determinado, com termo certo para findar, contudo a estabilidade provisória da gestante é garantia constitucional a direitos fundamentais da mãe e do nascituro, especialmente em relação à proteção da empregada contra a dispensa arbitraria com vistas a proteger a vida que nela se forma com dignidade desde a concepção.

Nesse sentido, o artigo 10, inciso II, alínea, do Ato das disposições Constitucionais Transitórias, exige para o reconhecimento do direito, apenas a confirmação da gravidez. Não há necessidade de outros requisitos, como a prévia ou a imediata comunicação da gravidez ao empregador ou o conhecimento da própria empregada a respeito do seu estado gravídico quando da extinção do vínculo, logo, a responsabilidade do empregador é objetiva, tendo em vista o dever social que a pessoa jurídica tem no direcionamento da concretização dos seus fins sociais.

Esse é teor do verbete sumular de nº 244 do Superior Tribunal de Trabalho:

Súmula nº 244 do TST

Continua após a publicidade

GESTANTE. ESTABILIDADE PROVISÓRIA

I - O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito ao pagamento da indenização decorrente da estabilidade (art. 10, II, b do ADCT).

II - A garantia de emprego à gestante só autoriza a reintegração se esta se der durante o período de estabilidade. Do contrário, a garantia restringe-se aos salários e demais direitos correspondentes ao período de estabilidade.

III - A empregada gestante tem direito à estabilidade provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea b, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado.

Continua após a publicidade

Nesse sentido, a empregada demitida passa a ter direito a reintegração, ou, a indenização correspondente aos meses de salários no período de estabilidade, à luz do verbete sumular.

DICA Jornal Contábil: Se prepare e se especialize em Departamento Pessoal

Gostaríamos que conhecessem nosso treinamento completo e totalmente na prática de departamento pessoal e eSocial para contadores. Aprenda todos os detalhes do departamento pessoal de forma simples e descomplicada. Saiba tudo sobre regras, documentos, procedimentos, leis e tudo que envolve o setor, além de dominar o eSocial por completo. Essa é a sua grande oportunidade de aprender todos os procedimentos na prática com profissionais experientes e atuantes no segmento, clique aqui acesse já!

Conteúdo original por NOEL Axcar Especialista em Advocacia Trabalhista, Advocacia Empresarial, Direito do Estado

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
18°
Tempo limpo

Mín. 15° Máx. 28°

17° Sensação
3.65km/h Vento
62% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h35 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Qui 29° 15°
Sex 30° 18°
Sáb 31° 18°
Dom 30° 18°
Seg 30° 17°
Atualizado às 08h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,15 +0,50%
Euro
R$ 5,58 +0,33%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,22%
Bitcoin
R$ 379,447,34 -0,03%
Ibovespa
126,721,82 pts -0.54%
Publicidade
Publicidade