17°C 30°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Contador preso em operação será investigado por lavagem de dinheiro

Contador preso em operação será investigado por lavagem de dinheiro

21/11/2016 às 08h05 Atualizada em 21/11/2016 às 10h05
Por: Ricardo de Freitas
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
O contador Tércio Brandino, preso por falsidade documental na segunda-feira, durante a Operação Caduceu - desdobramento da Operação Lama-Asfáltica - deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), será investigado pela Polícia Civil. A suspeita é de que tenha manipulado notas fiscais falsas em nome de uma empresa prestadora de serviços, a fim de lavar dinheiro de propina e desvio de recursos públicos. O esquema envolvia também outras empresas para as quais os serviços haviam sido supostamente prestados. Estas, no caso, podem ter sido usadas sem consentimento. O caso está a cargo do delegado Maercio Alves Barbosa, da Delegacia Especializada de Defraudações e Crimes Fazendários (Dedfaz). Durante as investigações da Lama-Asfáltica, o Gaeco descobriu que Brandino supostamente estaria por traz da simulação das notas que envolviam registro de serviços e vendas de diversos produtos que iam desde produtos de limpeza, produtos químicos e estruturas metálicas. Ele teria acesso ao certificado digital de uma empresa onde trabalhava como contador. Deste modo, pagava até mesmo o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a fim de legitimar os recursos ilegais e driblar o fisco.

Curso de Contabilidade Geral

As empresas que supostamente teriam contratados os serviços, conforme apurado preliminarmente, nunca haviam sequer feito contato com a prestadora. Por este motivo, o delegado Maercio deve fazer uma devassa junto à Secretaria de Estado de Fazenda para descobrir a situação legal das pessoas jurídicas investigadas, se existiam, de fato, e se os valores declarados condizem com a estrutura. “É um trabalho muito extenso e complexo para ser feito. Vamos analisar os documentos enviados pelo Ministério Público e abrir inquérito. Esta investigação é um caso à parte daquilo o que foi descoberto pelo Gaeco durante a Lama-Asfáltica e a Caduceu”, disse Maercio. O dinheiro sujo, muito provavelmente, pode estar ligado ao desvio R$ 200 milhões em contratos fraudulentos de obras em Mato Grosso do Sul, esquema que já culminou na prisão de 15 pessoas em aproximadamente um ano e meio, no âmbito da Lama Asfáltica. Durante a Caduceu, o Gaeco cumpriu mandado de busca e apreensão em escritório de contabilidade no cruzamento da Rua Vitório Zeolla, com a Rua Abricó do Pará, no Carandá Bosque. O escritório prestava serviços para a Proteco Construções, propriedade do empreiteiro João Amorim, citado pelo Gaeco como líder dos desvios. Outras pessoas são investigadas. Via Correio do Oeste
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
17°
Tempo limpo

Mín. 17° Máx. 30°

16° Sensação
2.7km/h Vento
63% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h35 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Qua 29° 15°
Qui 29° 16°
Sex 30° 18°
Sáb 30° 17°
Dom 30° 16°
Atualizado às 05h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,10 +0,01%
Euro
R$ 5,54 +0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,77%
Bitcoin
R$ 384,088,11 +2,50%
Ibovespa
127,750,92 pts -0.31%
Publicidade
Publicidade