14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Mais um Refis pode estar a caminho para ameaçar as instituições

Mais um Refis pode estar a caminho para ameaçar as instituições

08/12/2016 às 10h24 Atualizada em 08/12/2016 às 12h24
Por: Ricardo de Freitas
Compartilhe:
FOTO:Divulgação
FOTO:Divulgação
Controlada temporariamente a crise entre Legislativo e Judiciário, com a votação do Supremo Tribunal Federal (STF) que manteve um réu na presidência do Congresso Nacional e do Senado, surge uma nova ameaça para o bom funcionamento das instituições brasileiras. Desta vez é a Receita Federal que está na berlinda. Ou melhor, o respeito dos contribuintes pelo poder arrecadatório do Estado. Conforme relata o repórter Raphael Di Cunto hoje no Valor, um grupo suprapartidário, que reúne parlamentares do DEM, PTB, PSL e PDS, deve apresentar na manhã de hoje, ao presidente Michel Temer, um pedido formal para que o governo encampe a abertura de um novo programa de parcelamento de dívidas tributárias. O relato confirma a informação antecipada na véspera, pelo mesmo repórter no Valor PRO, sobre a proximidade de criação de um novo Refis. A reação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quando questionado sobre o assunto na noite de terça-feira, indica que a medida deve sim passar, ainda que não seja liderada pelo Executivo. Com a pressão de empresários por medidas que reanimem a economia, Meirelles disse que o governo não tinha uma decisão sobre o tema, mas que "nada impede que o Congresso apresente proposta de Refis, consultando ou não o governo". Por mais de uma vez, por razões práticas e também de convicção, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, já se posicionou de maneira contrária a programas de parcelamento, especialmente quando há desconto para os contribuintes. Resta saber como irá reagir. Os empresários brasileiros já aprenderam como funciona o sistema. Quando há o menor sinal de crise, basta parar de recolher tributos para reforçar temporariamente o caixa e esperar o próximo Refis. Eles usam a Receita para se financiar a um custo mas baixo que no setor bancário. Aliás, especialistas dizem que esse é um dos principais motivos para a queda real da arrecadação de tributos ser tão maior - era de 7,5% no ano até outubro, antes da entrada dos recursos da regularização de ativos não declarados no externo - que a diminuição do PIB. Valor
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
26°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

25° Sensação
5.14km/h Vento
27% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h44 Nascer do sol
05h54 Pôr do sol
Qua 29° 14°
Qui 30° 15°
Sex 30° 15°
Sáb 30° 16°
Dom 31° 17°
Atualizado às 14h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,59 +0,23%
Euro
R$ 6,06 -0,12%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,55%
Bitcoin
R$ 389,062,93 -3,02%
Ibovespa
126,568,24 pts -1.01%
Publicidade
Publicidade