°C °C
Publicidade
Anúncio

Brasil: Mais de 40 mil famílias perderam suas casas desde o início da pandemia

Brasil: Mais de 40 mil famílias perderam suas casas desde o início da pandemia

16/02/2023 às 14h36 Atualizada em 16/02/2023 às 17h36
Por: Esther Vasconcelos
Compartilhe:
Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Um levantamento mostra, que desde o começo da pandemia, mais de 40 mil famílias foram despejadas ou perderam suas casas por reintegração de posse no Brasil, o estado mais prejudicado foi São Paulo.

Continua após a publicidade

O Supremo Tribunal Federal, fez a proibição das reintegrações de posse dos despejos, durante a pandemia, porém isso não fez com que o problema não existisse.

O estudo do Mapeamento Nacional de conflitos pela terra e moradia, organizado pela campanha despejo zero, afirma que se tal atitude não tivesse sido tomada pelo STF esse número seria ainda maior.

Leia também: Minha Casa, Minha Vida: veja quem terá direito ao benefício

Despejos e reintegrações por estados

O estado em que mais famílias foram despejadas foi o estado de São Paulo, foram 7.376 famílias despejadas e outras 65,6 mil sobre ameaça de despejo.

Continua após a publicidade

Depois de São Paulo vem o Rio de Janeiro, que contabilizou 6.041 famílias despejadas e 5.513 ameaçadas. Depois em terceiro lugar, vem o Amazonas, que teve 4.879 famílias despejadas durante esse período, e 32.719 em risco de perder o lar.

Na capital paulista, a prefeitura tenta fazer uma ação nesse sentido, retirando as barracas de moradores de rua e os levando para abrigos, a prefeitura diz que tem vaga suficiente para cerca de 32 mil pessoas que se encontram em situação de rua.

Leia Também: Governo fecha parceria para reestruturação do CadÚnico

Volta do Minha Casa Minha Vida

O novo programa, Minha Casa Minha Vida, prevê financiar cerca de 2 milhões de unidades até 2026, segundo o Ministério da casa civil. Criado em 2009, Minha Casa Minha Vida, deixou de existir em 2020, sob o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, o programa que facilita financiamento de moradias para pessoas de baixa renda, passou a se chamar casa verde amarela.

Continua após a publicidade

Na retomada, o novo Minha Casa Minha Vida, vai focar em atender mais pessoas, segundo os critérios, 50% do financiamento será para famílias com renda de até 2.640, a chamada faixa 1, que havia sido excluída no caso a verde amarela.

Além disso o programa também deve incluir, pessoas em situação de rua na lista de possíveis beneficiários da iniciativa. O programa do governo, também deve ampliar o número de unidades e repasses para locação social.

A medida foi criada no caso a verde amarela de Bolsonaro, para subsidiar o aluguel de unidades habitacionais, o novo valor da faixa 1, é exatamente o dobro de 1.320 reais, montante que é estudado pelo governo, como novo salário mínimo, e teto da ampliação da isenção do Imposto de Renda.

A Casa Civil informou também, que o novo Minha Casa Minha Vida, deverá contemplar o financiamento de moradias usadas, ainda segundo o governo, os empreendimentos do Minha Casa Minha Vida, estarão mais próximos a comércios, serviços e equipamentos públicos, o objetivo é melhorar a infraestrutura no entorno das moradias.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
21h00 Nascer do sol
21h00 Pôr do sol
Seg ° °
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Sex ° °
Atualizado às 21h00
Publicidade
Publicidade
Anúncio
Economia
Dólar
R$ 5,12 +0,00%
Euro
R$ 5,46 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,10%
Bitcoin
R$ 347,035,09 -4,44%
Ibovespa
125,946,09 pts -1.14%
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio