15°C 29°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Compras na Shein e Shopee: Governo recua e mantém isenção de até US$ 50

Compras na Shein e Shopee: Governo recua e mantém isenção de até US$ 50

18/04/2023 às 16h03 Atualizada em 18/04/2023 às 19h03
Por: Jorge Roberto Wrigt
Compartilhe:
Imagem: YuriArcursPeopleimages / freepik / logo shein / logo shopee / editado por Jornal Contábil
Imagem: YuriArcursPeopleimages / freepik / logo shein / logo shopee / editado por Jornal Contábil

O Governo Federal resolveu manter a isenção para compras internacionais de até US$ 50. A decisão partiu depois da reação negativa em relação ao tema. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou o ministro da Fazenda, Fernando Haddad e integrantes da equipe econômica na noite desta segunda-feira (17) para fazer uma certa pressão pelo recuo.

Continua após a publicidade

Nesta terça-feira (18), o ministro Haddad comunicou o recuo. Segundo ele, foi o próprio presidente Lula que pediu que a questão fosse resolvida administrativamente, sem o fim da isenção que atualmente existe para encomendas de transições entre pessoas físicas no valor de US$ 50.

O ministro disse em uma conversa com jornalistas, que o governo vai buscar formas para aumentar a fiscalização e taxar empresas que, atualmente, burlam regras para receber o benefício de forma irregular

Se houvesse uma mudança regra, a medida afetaria gigantes asiáticas, como Shopee, AliExpress e Shein.

haddad3
Foto: José Cruz/Agência Brasil

"O presidente nos pediu ontem pra tentar resolver isso do ponto de vista administrativo. Ou seja, coibir o contrabando. Nós sabemos aí que tem uma empresa que pratica essa concorrência desleal, prejudicando todas as demais empresas, tanto do comércio eletrônico quanto das lojas que estão abertas aí, sofrendo a concorrência desleal dessa empresa", disse Haddad.

Continua após a publicidade

Tem como fiscalizar?

Muitos jornalistas questionaram o ministro se existe mão-de-obra suficiente para o reforço na fiscalização pela Receita Federal e sobre a possível redução na arrecadação prevista. Haddad usou de sinceridade e afirmou que "não vai ser uma tarefa fácil". 

"Não vai ser fácil porque essa brecha, ela está sendo usada de má-fé. Todo mundo sabe que é de má-fé. Ontem, recebi telefonema, só para você ter uma ideia, eu falei com o presidente da Confederação Nacional do Comércio, CEOs de redes de varejo, todo mundo muito preocupado com a concorrência desleal", afirmou.

Leia Também: Caixa Tem: Você Sabe Atualizar O Seu Cadastro? Veja Como

A polêmica

Tudo começou com uma entrevista ao portal UOL na semana passada, quando o secretário da Receita, Robinson Barreirinhas, disse que o fim da isenção para transações entre pessoas físicas é necessário para combater a sonegação por parte de empresas que enviam produtos burlando a regra. Não há isenção de imposto em nenhum tipo de comércio eletrônico. No entanto, segundo ele, algumas empresas usam essa brecha para remeter itens ao país.

Continua após a publicidade

O fim da isenção seria um duro golpe para produtos comprados diretamente do exterior, em sites como AliExpress, Shein e Shopee.

Na prática, todos os produtos enviados para o Brasil passariam a ser taxados em 60%, o que deixaria as compras mais caras porque as empresas tendem a repassar os tributos ao consumidor.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
16°
Tempo limpo

Mín. 15° Máx. 29°

16° Sensação
3.6km/h Vento
72% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h36 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Sex 30° 17°
Sáb 30° 18°
Dom 30° 16°
Seg 30° 18°
Ter 26° 15°
Atualizado às 08h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,14 -0,27%
Euro
R$ 5,58 +0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,46%
Bitcoin
R$ 377,002,36 -0,03%
Ibovespa
125,661,02 pts 0.01%
Publicidade
Publicidade