14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

É LEI! Toda Mulher tem direito a acompanhante em atendimento de saúde

É LEI! Toda Mulher tem direito a acompanhante em atendimento de saúde

29/11/2023 às 10h54 Atualizada em 29/11/2023 às 13h54
Por: Esther Vasconcelos
Compartilhe:
Imagem: pressfoto / freepik
Imagem: pressfoto / freepik

A Lei 14.737 publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (28), garante as mulheres a presença de um acompanhante nos atendimentos realizados em serviços de saúde, tanto públicos quanto privados, com ou sem a necessidade de sedação.

Proposto pelo deputado federal Júlio Cesar Ribeiro, o Projeto de Lei 81/2022 passou pelo Senado, sendo relatado pela senadora Tereza Cristina (PP-MS) e aprovado em 22 de março deste ano.

Após alterações, retornou à Câmara, sendo finalmente aprovado em 1º de novembro e enviado à sanção presidencial.

A relatora no Senado, a senadora Tereza Cristina destacou, em março, que a proposta visa promover a segurança das mulheres, especialmente em situações de vulnerabilidade devido ao uso de substâncias sedativas.

O episódio chocante de um estupro ocorrido durante uma cirurgia no Hospital da Mulher de São João de Meriti, no Rio de Janeiro, ressaltou a necessidade dessas medidas protetivas.

Ampliação da lei atual

A senadora observou em seu relatório que a legislação atual apenas garante o direito a acompanhante para parturientes e pessoas com deficiência.

Normas infralegais, como portarias do Ministério da Saúde, estabelecem esse direito para qualquer pessoa em consultas, exames e internações, enquanto a Lei 8.080, de 1990, em vigor, se aplica exclusivamente aos serviços próprios ou conveniados do Sistema Único de Saúde (SUS).

A lei recém-aprovada estabelece que em consultas, exames e procedimentos realizados em unidades de saúde públicas ou privadas, toda mulher tem o direito de ser acompanhada por uma pessoa maior de idade durante todo o atendimento, sem a necessidade de notificação prévia.

Em casos que envolvem sedação ou rebaixamento do nível de consciência, se a paciente não indicar um acompanhante, a unidade de saúde responsável pelo atendimento deverá designar alguém para acompanhá-la.

Preferencialmente, esse acompanhante deve ser um profissional de saúde do sexo feminino, sem custos adicionais para a paciente.

No entanto, a paciente tem o direito de recusar o acompanhante indicado e solicitar a indicação de outro, sem precisar justificar sua escolha. Essa solicitação deve ser registrada no documento gerado durante o atendimento.

Leia Também: APROVADO! Auxílio-Aluguel Para Mulher Vítima De Violência Vai A Sanção

Aviso

Todas as unidades de saúde no país são obrigadas a exibir um aviso visível informando sobre o direito do acompanhante.

Importante notar que, devido a uma alteração feita pela Câmara, em casos de atendimento em centro cirúrgico ou unidade de terapia intensiva com restrições relacionadas à segurança ou à saúde dos pacientes, será permitido apenas um acompanhante que seja profissional de saúde.

Em situações de urgência e emergência, os profissionais de saúde estão autorizados a agir na proteção e defesa da saúde e da vida da paciente, mesmo na ausência do acompanhante solicitado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
26°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

25° Sensação
5.14km/h Vento
27% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h44 Nascer do sol
05h54 Pôr do sol
Qua 29° 14°
Qui 30° 15°
Sex 30° 15°
Sáb 30° 16°
Dom 31° 17°
Atualizado às 14h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,59 +0,30%
Euro
R$ 6,07 -0,06%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,64%
Bitcoin
R$ 388,329,45 -3,27%
Ibovespa
126,604,39 pts -0.98%
Publicidade
Publicidade