13°C 27°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Receita refaz estimativa de perdas com desoneração da folha. Veja

Receita refaz estimativa de perdas com desoneração da folha. Veja

16/01/2024 às 08h58 Atualizada em 16/01/2024 às 11h58
Por: Leonardo Grandchamp
Compartilhe:
Receita Federal. Foto: Miriam Zomer/Agência AL / agenciaal.alesc.sc.gov.br
Receita Federal. Foto: Miriam Zomer/Agência AL / agenciaal.alesc.sc.gov.br

Diante de divergências nos cálculos apresentados pela equipe econômica, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, solicitou à Receita Federal uma revisão nas estimativas de perda decorrente da prorrogação da desoneração da folha de pagamento. O ministro pretende apresentar os novos números ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante uma reunião marcada para a noite desta segunda-feira (15).

Continua após a publicidade

Até o momento, o Ministério da Fazenda divulgou três valores distintos para o impacto da derrubada do veto. Inicialmente, a pasta mencionou R$ 25 bilhões no Orçamento de 2024. Em seguida, ajustou para R$ 20 bilhões e, por fim, para R$ 16 bilhões.

Leia também: Veto De Lula É Derrubado E Desoneração Da Folha Segue Até 2027

"Houve uma solicitação à Receita para reavaliar a perda de arrecadação. Minha primeira ação será informar ao presidente Rodrigo Pacheco sobre o que não está contemplado no Orçamento aprovado. Como o cálculo não foi realizado pela Fazenda, o projeto foi aprovado sem a participação do Executivo. Assim, aproveitamos esse período para estimar a renúncia não prevista no Orçamento, comprometendo os objetivos desejados", afirmou Haddad após retornar de uma reunião com o presidente do Paraguai no Itamaraty.

Haddad esclareceu que o novo cálculo abrangerá tanto a perda resultante da prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores quanto a redução da alíquota da Previdência Social para os municípios de pequeno porte.

Continua após a publicidade

Leia também: Calcular Folha De Pagamento: Como Fazer E Benefícios De Terceirizar

Remessa Conforme

O ministro optou por não divulgar a origem dos recursos destinados a compensar a perda de receitas, caso a medida provisória emitida no final do ano passado seja devolvida ou rejeitada pelo Congresso. Ele também não confirmou se a taxação de compras online, cuja decisão está prevista para este ano, será suficiente para equilibrar o impacto fiscal.

"O orçamento é um assunto público: ao realizar uma renúncia fiscal, é necessário fazer compensações. É natural que existam pressões e grupos de interesse defendendo suas propostas. No entanto, o papel do Ministério da Fazenda é buscar a harmonização do orçamento com o que foi aprovado", afirmou o ministro. Ele destacou que a reunião desta segunda-feira com Pacheco marcará o início de uma "discussão de alto nível" sobre o tema.

Antes do encontro com Pacheco, Haddad teve uma reunião com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e com o líder do Governo no Senado, Jacques Wagner (PT-BA). Ao deixar o ministério, Wagner reiterou que não acredita que o Congresso devolverá a medida provisória, mas não entrou em detalhes sobre a possibilidade de o Legislativo transformar a proposta em um projeto de lei.

Continua após a publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
16°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 27°

15° Sensação
2.57km/h Vento
51% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h43 Nascer do sol
05h43 Pôr do sol
Sex 28° 16°
Sáb 28° 15°
Dom 28° 15°
Seg 29° 15°
Ter 29° 15°
Atualizado às 03h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,40 -0,13%
Euro
R$ 5,84 -0,14%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,15%
Bitcoin
R$ 385,935,49 -1,18%
Ibovespa
119,936,02 pts -1.4%
Publicidade
Publicidade