14°C 28°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Montador de móveis MEI conseguiu provar vínculo de emprego

Montador de móveis MEI conseguiu provar vínculo de emprego

18/01/2024 às 14h27 Atualizada em 18/01/2024 às 17h27
Por: Leonardo Grandchamp
Compartilhe:
Imagem: rawpixel.com / freepik
Imagem: rawpixel.com / freepik

A 9ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, no Rio Grande do Sul, confirmou o reconhecimento do vínculo de emprego entre um montador de móveis, atuando como microempreendedor individual (MEI), e uma rede de lojas. A decisão unânime dos desembargadores manteve o veredicto do juiz Jarbas Marcelo Reinicke, da 4ª Vara do Trabalho de São Leopoldo.

Durante o período de dezembro de 2016 a abril de 2022, o montador realizou a montagem de bicicletas e móveis nas instalações da empresa e nas residências dos clientes. Inicialmente, o montador estabelecia a agenda, mas posteriormente a empresa passou a gerenciar os agendamentos e a emitir ordens de serviço por meio de aplicativo de mensagens.

Leia também: MEI 2023: Conheça Os Benefícios Que Podem E Não Podem Para A Categoria

Os pagamentos eram efetuados pela empresa mensalmente, sem qualquer remuneração direta dos clientes. Todas as notas fiscais eram emitidas para a mesma empresa, identificadas como "montagem loja" e "montagem cliente".

O juiz Jarbas, em primeira instância, constatou que estavam presentes os requisitos da relação de emprego, conforme os artigos 2º e 3º da CLT: subordinação, pessoalidade, habitualidade e onerosidade. Ele destacou que a forma como a relação foi estabelecida buscava prejudicar os direitos trabalhistas do reclamante e reduzir a tributação, caracterizando uma clara fraude.

Leia também: Auditor Fiscal Do Trabalho Tem Poder De Reconhecer Vínculo De Emprego?

A empresa recorreu ao Tribunal alegando que o serviço foi prestado de forma autônoma, mas essa tese não foi comprovada. Os desembargadores mantiveram o entendimento de primeira instância. O relator do acórdão, desembargador João Batista de Matos Danda, enfatizou que todas as notas emitidas pela empresa referiam-se à prestação de serviços do montador à mesma loja, seguindo uma numeração sequencial a partir da nota número um. Ele concluiu que era evidente a intenção de mascarar a relação de emprego através da utilização de pessoa jurídica interposta, o que é nulo conforme o artigo 9º da CLT. Os desembargadores Maria da Graça Ribeiro Centeno e João Alfredo Borges Antunes de Miranda participaram do julgamento. A empresa recorreu ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
19°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 28°

18° Sensação
2.06km/h Vento
48% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h45 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Sex 28° 15°
Sáb 28° 15°
Dom 30° 17°
Seg 31° 17°
Ter 31° 18°
Atualizado às 03h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +0,00%
Euro
R$ 5,86 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,36%
Bitcoin
R$ 380,362,28 +1,22%
Ibovespa
120,261,34 pts 0.53%
Publicidade
Publicidade