18°C 27°C
Uberlândia, MG

Aposentadoria é impenhorável? Descubra agora!

Aposentadoria é impenhorável? Descubra agora!

24/02/2024 às 09h11 Atualizada em 20/03/2024 às 19h40
Por: Leonardo Grandchamp
Compartilhe:
Aposentadoria é impenhorável / Imagem freepik
Aposentadoria é impenhorável / Imagem freepik

Uma dúvida frequente que se instaura quando falamos em penhora diz respeito a penhorabilidade de salário. Uma vez que a aposentadoria possui natureza remuneratória, visto que é a contraprestação de anos de tempo de contribuição, de forma a substituir a remuneração com o trabalho, questiona-se se a aposentadoria é impenhorável ou não.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Como este tema está em foco, principalmente nos tribunais pelo Brasil, nada mais justo do que desvendar esta questão, deixando todos os segurados e aposentados a par da penhora dos proventos de aposentadoria, sua possibilidade e exceções. 

 

Continua após a publicidade

Se você conhece alguém que também tem a dúvida se a aposentadoria é impenhorável, não se esqueça de compartilhar esse artigo. Vamos lá!

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Impenhorabilidade

 

Continua após a publicidade

Partindo do princípio, é essencial compreender o instituto da impenhorabilidade. Em linhas gerais se trata de bens e valores que não estão sujeitos à constrição judicial, de modo que não podem ser executados a fim de quitar ou abater uma dívida. 

 

Continua após a publicidade

Ou seja, a impenhorabilidade quer dizer que não há como retirar do patrimônio do devedor aquele bem ou valor, pois a legislação não permite. 

 

Continua após a publicidade

O artigo 833 do Código de Processo Civil – CPC determina que são impenhoráveis. Em seu inciso IV assim refere: 

 

Continua após a publicidade

“IV – os vencimentos, os subsídios, os soldos, os salários, as remunerações, os proventos de aposentadoria, as pensões, os pecúlios e os montepios, bem como as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, ressalvado o § 2º.”

 

Continua após a publicidade

Como visto, há ressalvas, que seriam as famosas exceções, logo, estamos diante da relativização da impenhorabilidade. Isso foi inclusive tratado pelo Superior Tribunal de Justiça – STJ, que na oportunidade assim afirmou “A regra geral da impenhorabilidade pode ser mitigada em nome dos princípios da efetividade e da razoabilidade, nos casos em que ficar demonstrado que a penhora não afeta a dignidade do devedor.”

 

Continua após a publicidade

Portanto, ainda que a regra geral seja a impenhorabilidade de aposentadoria, salário e pensões, há a relativização em prol da razoabilidade e proporcionalidade. Desse modo, quando se viu a necessidade de analisar o caso concreto, muitos beneficiários se viram preocupados frente ao risco da penhora. 

 

Continua após a publicidade

Leia também: FGTS Digital: Alternativas De Crédito Para Idosos

 

Continua após a publicidade

Benefícios previdenciários

 

Continua após a publicidade

Os benefícios previdenciários, possuem em regra natureza alimentar, de modo que visam a subsistência, o sustento do segurado.

 

Continua após a publicidade

A aposentadoria pode ser por tempo de contribuição, diante das regras de transição ou ainda pelas regras pré-reforma, ou por idade. Atualmente a regra é de 62 anos para mulheres + 30 anos de tempo de contribuição e 65 para homens + 35 anos de tempo de contribuição. 

 

Continua após a publicidade

Além disso, há os benefícios por incapacidade, divididos em aposentadoria por incapacidade permanente, conhecida como aposentadoria por invalidez, auxílio por incapacidade temporária, o famoso auxílio-doença e o auxílio-acidente, conhecido como pecúlio. Este último não tem natureza salarial e sim indenizatória. 

 

Continua após a publicidade

Por fim, temos a pensão por morte, que é o benefício previdenciário destinado aos dependentes do segurado. Para ter direito é preciso que no momento do óbito o falecido seja segurado do INSS e fique comprovada a dependência do requerente, lembrando que filhos menores e maiores inválidos, bem como cônjuges e companheiros possuem dependência presumida, restando dispensada a comprovação da dependência econômica. 

 

Continua após a publicidade

Como analisado no tópico anterior, a legislação menciona que a aposentadoria é impenhorável e a pensão também. Desse modo, as aposentadorias nas suas diversas modalidades e a pensão por morte são nosso foco quando falamos em benefícios previdenciários impenhoráveis.

 

Continua após a publicidade

Leia também: Sua Aposentadoria Pode Subir! Revisão Da Vida Toda Do INSS

 

Continua após a publicidade

Aposentadoria é impenhorável?

 

Continua após a publicidade

Em regra a própria lei determina as exceções a impenhorabilidade, em seu §2º, sendo penhoráveis os valores quando se trata de prestação alimentícia, independente da sua origem, bem como quando o valor recebido e pensão, aposentadoria ou salário, ultrapasse 50 salários mínimos mensais.

 

Continua após a publicidade

Entretanto, recentemente este assunto voltou a tona em razão do entendimento do STJ nos ED 1874222/DF, determinado que é possível a penhora de percentual de salário, aposentadorias e pensões quando:

 

Continua após a publicidade
  • Medida excepcional, depois de esgotadas tentativas de penhora no caso concreto; 
  • Percentual não compromete a subsistência digna, com o mínimo para o executado e sua família;
  • Avaliação do caso concreto, valor do salário, despesas (como gastos escolares, saúde, água, luz, gás, internet, alimentação) em percentual sem prejudicar a vida digna.

 

Continua após a publicidade

No âmbito trabalhista o Tribunal Superior do Trabalho – TST, da mesma forma relativizou a impenhorabilidade tendo em vista que o pagamento de crédito trabalhista possui natureza alimentar. Desse modo, com base no artigo 529, §3º do Código de Processo Civil, de igual forma permite o bloqueio de valores, diante de uma análise criteriosa.

 

Continua após a publicidade

Conforme o que ficou determinado pelos tribunais superiores, é preciso que seja aplicada a proporcionalidade de razoabilidade, principalmente, a dignidade da pessoa humana. 

 

Continua após a publicidade

Ou seja, ainda que o devedor deva arcar com suas responsabilidades frente à dívida contraída, é preciso que se leve em conta o caráter alimentício dos proventos de aposentadoria e pensões, no momento de análise do pedido de penhora.

 

Continua após a publicidade

Desse modo, a regra é, valores recebidos a título de aposentadoria ou pensão são impenhoráveis, visto que visam a subsistência, como determinação legal. Por outro lado, como vêm sendo relativizado pelos tribunais a depender do motivo da penhora é possível que haja a efetiva penhora, ainda que em casos muito excepcionais.

 

Continua após a publicidade

Previdência privada

 

Continua após a publicidade

A previdência privada é considerada uma previdência particular, servindo para complementar a renda advinda da aposentadoria seja do Regime Geral de Previdência Social – RGPS ou Regime Próprio de Previdência Social – RPPS.

 

Continua após a publicidade

Existem duas modalidades, previdência privada fechada que é aquela oferecida por empresas aos seus funcionários e o fornecimento de modo aberto, que é disponibilizado por bancos ou corretoras a qualquer pessoa.

 

Continua após a publicidade

Em relação a questão se a aposentadoria é impenhorável também nesta modalidade, uma vez que a filiação é optativa e acaba sendo complementa, há um olhar diferente pelos tribunais frente a esta modalidade de aposentadoria.

 

Continua após a publicidade

O STJ possui o entendimento de que em face da previdência privada há a relativização da impenhorabilidade, independente da natureza da dívida, pois entende que os planos de previdência privada não possuem natureza alimentar, sendo considerados, na realidade investimento ou poupança.

 

Continua após a publicidade

Há um Projeto de Lei, nº 1.415/22 que está em análise na Câmara dos Deputados, que visa a proibição da penhora de recursos aplicados em plano de previdência complementar. Isso porque, na visão do proposta “os depósitos efetuados ao longo de toda uma vida, para complementação de aposentadoria futura, ficarão devidamente resguardados de eventuais constrições”. 

 

Continua após a publicidade

Para finalizar

 

Continua após a publicidade

A questão da aposentadoria é impenhorável, é de grande relevância no contexto jurídico, gerando inúmeras discussões, bem, como no contexto social.

 

Continua após a publicidade

O instituto da impenhorabilidade tem como objetivo assegurar que o aposentado e o pensionista possam usufruir de seus proventos, sem interferências de terceiros ou de suas dívidas. Ou seja, caracteriza-se como um direito fundamental.

 

Continua após a publicidade

Destaca-se, por outro lado, que não ser penhorado os proventos não é regra absoluta, possuindo casos excepcionais como o pagamento de pensão alimentícia, bem como dívidas decorrentes de empréstimos consignados. Isso porque, nessas situações a de ser equilibrado o direito do aposentado com as obrigações frente a suas responsabilidades financeiras. 

 

Continua após a publicidade

Sabemos que é possível requerer empréstimo consignado com a inutilização do percentual de 45%, sendo 35% para empréstimos consignados, 5% para cartão de crédito consignado e
5% para cartão de benefício consignado. Até mesmo, recentemente houve a possibilidade de consignar parte do benefício assistencial. Portanto, alinhado a essa possibilidade, nesses casos não se opera a regra geral, qual seja, a impossibilidade de penhora. 

 

Continua após a publicidade

Por fim, fica claro que a aposentadoria é impenhorável como meio de proteção social, preservando a dignidade da pessoa humana e segurança financeira. Entretanto, como visto é preciso estar atento às exceções que a lei e a jurisprudência definem.

 

Continua após a publicidade

Por Rafael Faganello, Advogado, Mestre em Direito Político e Econômico, Pós-Graduado em Direito Tributário pela FGV, Graduando em Ciências Econômicas pela FECAP.

 

Continua após a publicidade

Original de Saber a Lei

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
22°
Parcialmente nublado

Mín. 18° Máx. 27°

22° Sensação
2.06km/h Vento
64% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h24 Nascer do sol
05h58 Pôr do sol
Seg 27° 17°
Ter 28° 20°
Qua 29° 21°
Qui 29° 18°
Sex 29° 17°
Atualizado às 21h40
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,20 +0,00%
Euro
R$ 5,55 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,55%
Bitcoin
R$ 356,988,55 +0,53%
Ibovespa
125,124,30 pts 0.75%