17°C 30°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Cooperativas de Seguro Veicular estão na mira da Polícia Federal.

Sonegação pode passar de R$ 3 bilhões em tributos

22/04/2024 às 11h10
Por: Ricardo de Freitas Fonte: Fenacor
Compartilhe:
Cooperativas de Seguro Veicular estão na mira da Polícia Federal.
Cooperativas de Seguro Veicular estão na mira da Polícia Federal.

O governo aguarda a aprovação do novo marco dos seguros e um dos projetos de lei colocará associações e cooperativas sob a fiscalização da Susep (Superintendência de Seguros Privados).

Continua após a publicidade

Estimativas do governo indicam a existência de três mil empresas dessa natureza. A Susep estima que, por ano, elas deixem de arrecadar R$ 3 bilhões em tributos. O problema é que, segundo investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, uma parte dessas entidades é controlada por organizações criminosas, como o PCC e milícias do Rio de Janeiro.

O modelo de negócio dessas entidades prevê o rateio do valor de um seguro entre um grupo de pessoas, que pagam uma taxa de adesão e mensalidades para ter cobertura. Na maior parte das vezes, segundo as investigações policiais, o 'segurado' nunca recebe quando ocorre um sinistro.

O PCC e milícias do Rio de Janeiro dominam uma parcela significativa dessas associações em comunidades. A maior parte envolve a proteção veicular.

Por isso, uma ideia ainda a ser discutida pela equipe econômica é a vinculação da Susep à Diretoria de Fiscalização do Banco Central como forma de compartilhar estruturas de fiscalização e garantir que a faxina no mercado, pretendida pelo governo Lula.

Continua após a publicidade

A proposta já foi discutida no passado, sem sucesso diante de resistências no BC e na Susep.

Consultada, a Susep informa que, hoje, as associações de proteção veicular não possuem autorização legal para venderem seguros ou qualquer produto parecido.

'Sempre que a autarquia recebe denúncias de atuações irregulares dessas associações, são realizadas ações de supervisão com o objetivo de tentar coibir tais práticas e evitar que os consumidores sejam lesados', disse a Susep em nota.

A autarquia diz que, quando constata que uma associação atua irregularmente na comercialização de contratos de seguros, encaminha o caso para a Procuradoria Federal para ajuizamento de ação civil pública e comunica o Ministério Público Federal para a apuração de eventuais crimes contra o Sistema Financeiro Nacional.

Continua após a publicidade

A Susep informa que, em 2023, foram 83 ações de análises de denúncias que resultaram em 413 ações civis públicas contra as associações envolvidas.

Sobre o projeto de lei, a autarquia diz que tem acompanhado as discussões, 'respeitando sempre as prerrogativas dos parlamentares'.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
28°
Tempo limpo

Mín. 17° Máx. 30°

27° Sensação
4.63km/h Vento
34% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h35 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Qua 29° 15°
Qui 29° 16°
Sex 30° 18°
Sáb 30° 17°
Dom 30° 16°
Atualizado às 17h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,12 +0,37%
Euro
R$ 5,56 +0,38%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,08%
Bitcoin
R$ 380,809,66 +1,25%
Ibovespa
127,411,55 pts -0.27%
Publicidade
Publicidade