13°C 27°C
Uberlândia, MG
Publicidade

No mundo e no Brasil, estagnação no avanço das condições para mulheres dentro e fora do ambiente de trabalho

No Brasil, 40% das entrevistadas que vivenciaram problemas relacionados à saúde feminina relataram ter passado por altos níveis de dor devido à menstruação e ter trabalhado ainda assim, sem ausentar-se;

02/05/2024 às 08h04
Por: Ricardo de Freitas Fonte: Redação
Compartilhe:
No mundo e no Brasil, estagnação no avanço das condições para mulheres dentro e fora do ambiente de trabalho
No mundo e no Brasil, estagnação no avanço das condições para mulheres dentro e fora do ambiente de trabalho

Metade das profissionais brasileiras dizem estar, hoje, vivendo níveis maiores de estresse do que um ano atrás, enquanto longas horas de trabalho impactam negativamente suas rotinas, e estigmas relacionado às saúdes mental e menstrual persistem. Essa é uma das conclusões da pesquisa Woman @ Work 2024, realizada pela Deloitte, organização com o portfólio de serviços profissionais mais diversificado do mundo, em dez países – incluindo o Brasil. Segundo o estudo, 53% das profissionais brasileiras relatam que seus níveis de estresse aumentaram em relação ao ano anterior, número em linha com a média global, de 50%. As mulheres brasileiras pertencentes a grupos étnicos minoritários apresentam níveis de estresse ainda mais elevados, chegando a 56%, mas apenas 28% deste grupo relatam obter apoio adequado de seus empregadores, enquanto 22% se sentem confortáveis para discutir a saúde mental no local de trabalho – indicadores inferiores aos registrados pela amostra geral de mulheres no Brasil (37% e 28%, respectivamente) e pela média global (43% e 33%).
 

Continua após a publicidade

A quantidade de entrevistadas brasileiras que declara ter tirado tempo fora do trabalho no último ano por motivos de saúde mental (34%) se aproxima do quantitativo global (33%). No entanto, as brasileiras estão menos propensas a falar sobre a própria saúde mental no ambiente de trabalho (apenas 28% disseram se sentir confortáveis) do que as entrevistadas no mundo todo (33%). A quarta edição do relatório também faz uma relação entre as horas de trabalho e o bem-estar psicológico. O relatório mostra que, enquanto na média global e no total da amostra brasileira 1/5 das entrevistadas dizem trabalhar a mais do que o contratado, entre as brasileiras que pertencem a grupos étnicos minoritários o volume é de quase 1/3 das entrevistadas (29%).
 

"Nossa pesquisa anual dá mais um passo importante no sentido de compreendermos melhor e verdadeiramente as experiências das mulheres no ambiente profissional. Ao abordar temas como estresse, saúde mental, segurança pessoal e carga de trabalho fora do escritório, estamos reconhecendo as complexidades enfrentadas por mulheres em suas jornadas diárias, pessoais e profissionais. Precisamos abordar essas questões diretamente para promover uma maior equidade de gênero no local de trabalho e na sociedade, em geral. Ao mostrar as preocupações e experiências das mulheres, estamos trabalhando em direção a um futuro mais inclusivo e justo para todas as pessoas", afirma Ana Letícia Godoy, líder da estratégia de Diversidade e Inclusão (D&I) da Deloitte.
 

O estudo revela que muitas brasileiras continuam a trabalhar mesmo sofrendo quadros de dor, desconforto ou outros sintomas: as entrevistadas que vivenciaram problemas relacionados à saúde feminina relataram ter passado por altos níveis de desconforto devido à menstruação (40%) ou menopausa (27%) e ter trabalhado mesmo assim, sem tirar licença. Ao todo, mais de um quarto das mulheres brasileiras relatam ter enfrentado desafios relacionados à menstruação (15%), menopausa (10%) ou fertilidade (3%). Sobre a fertilidade, 21% afirmam que reportaram esse fator como motivo para tirar licença aos seus empregadores e tiveram impacto negativo na carreira.
 

Muitas vezes, as mulheres relutam em discutir essas questões no local de trabalho. Entre as brasileiras que tiraram folga por problemas de saúde relacionados à menstruação (14% da amostra total), menopausa (10%) ou fertilidade (7%) e não revelaram o motivo ao seu gestor, 33% dizem que não se sentiram confortáveis para falar de assuntos pessoais; 23% afirmam que assuntos relacionados a menstruação, menopausa ou fertilidade são muito incômodos para serem discutidos no ambiente profissional e 20% se dizem preocupadas sobre falar desses temas e ter um impacto negativo no desenvolvimento da própria carreira.
 

Continua após a publicidade

Home office x trabalho híbrido

As experiências de trabalho híbrido estão melhorando, mas algumas mulheres dizem ter tido que ajustar suas vidas profissionais e pessoais após a introdução de políticas de retorno ao escritório. Entre as brasileiras que voltaram a trabalhar presencialmente em tempo integral, 26% relataram impacto na saúde mental e aumento nos níveis de estresse. Sobre a produtividade, 16% das entrevistadas no Brasil disseram que o rendimento no trabalho caiu e 14% consideram um impacto negativo no cumprimento das responsabilidades de cuidado. Ainda no mesmo cenário de retorno ao trabalho presencial em tempo integral, 17% das brasileiras afirmaram que a medida impactou negativamente no sentido financeiro e 27% tiveram de mudar de casa para atender às novas expectativas. Menos mulheres no Brasil estão enfrentando exclusão em ambientes de trabalho híbridos (33%) em comparação com o ano passado (48%), e as entrevistadas relatam melhores experiências com flexibilidade (29% em 2024, contra 42% em 2023) e previsibilidade (31% em 2023, ante 39% em 2023) em seus padrões de trabalho.
 

Assédio sexual e microagressões

As mulheres seguem se sentindo inseguras no local de trabalho, assim como comportamentos não-inclusivos insistem em se repetir. No Brasil, 49% das mulheres estão preocupadas com sua segurança no ambiente profissional, durante o trajeto ou em viagens à trabalho. Sobre o que as fazem se sentir mais inseguras neste contexto, as entrevistadas afirmam que lidam com clientes que já as assediaram ou se comportaram de uma forma que as fizeram se sentir desconfortáveis (24%); o trabalho está em um local inseguro, onde acreditam que poderiam ser assediadas ou atacadas (18%); já foram assediadas por um colega de trabalho, incluindo assédio sexual ou perseguição (13%); já foram assediadas enquanto viajavam a trabalho, incluindo assédio sexual (13%).
 

Continua após a publicidade

No último ano, mais de um terço (35%) das profissionais brasileiras relataram ter sofrido microagressões, contra 31% na pesquisa global. Situações de assédio sexual somam 4% entre as brasileiras e 4% globalmente, e outros tipos de assédio chegam a 8% nos dois cenários – brasileiro e global. No entanto, esses comportamentos, frequentemente, não são relatados: 40% das mulheres brasileiras que sofreram assédio sexual não reportaram o caso à sua organização; e 77% que vivenciaram microagressões também optaram por não denunciar.
 

Carga de trabalho doméstico

No Brasil, 22% das mulheres que vivem com parceiros são a principal fonte de renda da família. Mesmo convivendo com um parceiro, são as mulheres que têm a maior responsabilidade pelo cuidado infantil e, cada vez mais, pelo cuidado de outros adultos. A maioria das entrevistadas brasileiras (68%) é a principal responsável pelos cuidados das crianças, enquanto 40% são as principais responsáveis pelo cuidado com outros adultos. Na pesquisa global, esses números são menores: 48% e 32%, respectivamente. Sobre a limpeza e outras tarefas domésticas, 43% das brasileiras assumem a responsabilidade sozinhas, 25% relataram uma divisão igual e 23% pagam por esse serviço. Globalmente, 36% das mulheres afirmam assumir a responsabilidade sozinhas, 21% dividem igualmente e 23% pagam pelo serviço. A pesquisa global também aponta o impacto das responsabilidades domésticas na saúde mental: mulheres com a maior parcela de responsabilidade doméstica têm muito menos probabilidade de relatar boa saúde mental do que outras.
 

"O estudo mostra que a carga de trabalho doméstico que recai desproporcionalmente sobre as mulheres é uma questão que exige atenção imediata. Embora algumas mulheres possam dividir tarefas com seus parceiros, a realidade é que a maioria ainda carrega a responsabilidade de cuidar dos afazeres domésticos, das crianças e, muitas vezes, de adultos. Esses pontos sobrecarregam as mulheres e contribuem, significativamente, para o estresse e a exaustão. Precisamos de políticas e práticas que promovam uma distribuição mais equitativa dessas responsabilidades", afirma Aline Vieira, sócia sponsor do Delas, pilar de gênero da estratégia DE&I da Deloitte.
 

Flexibilidade x jornada de trabalho

Os dados revelam que flexibilidade e equilíbrio entre trabalho e vida pessoal são essenciais para que um funcionário permaneça na organização. No Brasil, mulheres que estão atualmente considerando deixar seu empregador por outra empresa citam a falta de flexibilidade nos horários de trabalho (26%) e salário e pacote de benefícios não competitivo (26%) como os principais motivos. Já as brasileiras que deixaram seu empregador no último ano citam remuneração inadequada (24%), mau equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (18%) e falta de oportunidade de aprendizado e desenvolvimento (18%).
 

Sobre a igualdade no ambiente corporativo, apenas 12% das mulheres brasileiras acreditam que a empresa onde trabalham toma medidas concretas para cumprir o seu compromisso com a diversidade de gênero. No Brasil, 27% delas dizem que não querem progredir para uma posição de liderança sênior dentro de sua organização. Desse total, 20% afirmam não gostar da cultura dentro da empresa, 19% dizem não ter planos para continuar na organização por tempo suficiente para progredir a uma posição senior e 19% dizem não acreditar que terão oportunidade de chegar a uma posição senior.
 

A nível global, 14% das entrevistadas acreditam que os direitos das mulheres se deterioraram no seu país de origem durante o último ano. O número sobe para 17% no Brasil. As mulheres brasileiras estão mais preocupadas com os direitos das mulheres (52%), sua segurança pessoal ao viajar para/ao trabalho (49%) e financeira (48%).
 

O estudo global ouviu 5.000 mulheres em 10 países. No Brasil, foram 500 profissionais de organizações que fazem parte de diferentes indústrias, como: Serviços Financeiros; Serviços de Negócios; Consumo; Energia, Recursos e Industriais, Ciências da Vida e Cuidados com a Saúde; Tecnologia, Mídia e Telecomunicações; Governo e Serviços Públicos. As respondentes brasileiras têm entre 18 e 64 anos e quase metade (43%) ocupa cargos não-gerenciais. Os dados foram coletados entre outubro de 2023 e janeiro de 2024.
 

Sobre a Deloitte

A Deloitte é a organização com o portfólio de serviços profissionais mais diversificado do mundo, com cerca de 457 mil profissionais em todo o mundo, gerando impactos que realmente importam em mais de 150 países e territórios. Com base nos seus mais de 175 anos de história, fornece serviços de auditoria e asseguração, consultoria tributária, consultoria empresarial, assessoria financeira e consultoria em gestão de riscos para quase 90% das organizações da lista da Fortune Global 500® e milhares de outras empresas. Nossas pessoas proporcionam resultados mensuráveis e duradouros para ajudar a reforçar a confiança pública nos mercados de capitais e permitir aos clientes transformar e prosperar, e lideram o caminho para uma economia mais forte, uma sociedade mais equitativa e um mundo sustentável. No Brasil, onde atua desde 1911, a Deloitte é líder de mercado, com mais de 7.000 profissionais e operações em todo o território nacional, a partir de 18 escritórios. Para mais informações, acesse o site.
 

A Deloitte refere-se a uma ou mais empresas da Deloitte Touche Tohmatsu Limited ("DTTL"), sua rede global de firmas-membro e suas entidades relacionadas (coletivamente, a "organização Deloitte"). A DTTL (também chamada de "Deloitte Global") e cada uma de suas firmas-membro e entidades relacionadas são legalmente separadas e independentes, que não podem se obrigar ou se vincular a terceiros. A DTTL, cada firma-membro da DTTL e cada entidade relacionada são responsáveis apenas por seus próprios atos e omissões, e não entre si. A DTTL não fornece serviços para clientes. Por favor, consulte o site para saber mais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
16°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 27°

15° Sensação
5.14km/h Vento
63% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h44 Nascer do sol
05h44 Pôr do sol
Qua 28° 15°
Qui 29° 16°
Sex 29° 16°
Sáb 29° 17°
Dom 31° 17°
Atualizado às 03h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,05%
Euro
R$ 5,83 +0,10%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,19%
Bitcoin
R$ 377,917,01 -1,23%
Ibovespa
119,137,86 pts -0.44%
Publicidade
Publicidade