13°C 27°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Os efeitos da suspensão da desoneração da folha e possíveis questionamentos na via judicial

Entenda os desdobramentos e estratégias tributárias diante da decisão do Supremo

03/05/2024 às 10h51
Por: Ricardo de Freitas Fonte: Jornal Contábil
Compartilhe:
Os efeitos da suspensão da desoneração da folha e possíveis questionamentos na via judicial
Os efeitos da suspensão da desoneração da folha e possíveis questionamentos na via judicial

Com base na decisão do ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu os efeitos e dispositivos legais da Lei nº 14.784/2023, prorrogando a desoneração da folha de pagamento, a Receita Federal do Brasil (RFB) divulgou em seu site institucional que, considerando a publicação da decisão em 26 de abril e o fato gerador das contribuições ser mensal, a decisão deve ser aplicada às contribuições relativas à competência de abril, com prazo de recolhimento até o dia 20 de maio.

Continua após a publicidade

 

Para Eduardo Natal, sócio do escritório Natal & Manssur, mestre em Direito Tributário pela PUC/SP e presidente do Comitê de Transação Tributária da Associação Brasileira da Advocacia Tributária (ABAT), a orientação da RFB está equivocada, pois o ministro determinou o retorno à tributação a partir da data de publicação da decisão, o que ainda não ocorreu.

 

"Apesar do placar estar em 5 x 0 pelo referendo da medida liminar, a decisão do ministro Zanin ainda aguarda a finalização do julgamento e seu referendo pelos demais ministros do STF", comenta Natal.

Continua após a publicidade

 

Para o tributarista, há argumentos sólidos para refutar a posição adotada pelo ministro Zanin, pois, no mérito, a imediata reoneração da folha viola os princípios da anterioridade e da segurança jurídica.

 

"Na prática, a decisão implica em um aumento da carga tributária para os contribuintes, os quais não estavam preparados, pois já haviam optado pela desoneração no primeiro recolhimento em 2024", observa o especialista.

Continua após a publicidade

 

Na visão do tributarista, agrava ainda mais a situação o fato de os contribuintes terem planejado desde o final de 2023 recolherem a contribuição previdenciária patronal com base na regra da desoneração.

 

"Essa mudança abrupta de rota gera um desequilíbrio econômico-financeiro nos contratos firmados com base na regra de desoneração, a qual vigoraria até o final de 2027", acrescenta ele.

 

Diante desse cenário e considerando o entendimento adotado pela RFB, Natal vê apenas uma alternativa para evitar a tributação em maio.

 

"Uma maneira segura de evitar a tributação pela folha em abril até que haja uma definição pelo STF é impetrar um mandado de segurança apoiado nos argumentos mencionados anteriormente", conclui Natal.

Fonte: Eduardo Natal, sócio do escritório Natal & Manssur, mestre em Direito Tributário pela PUC/SP e presidente do Comitê de Transação Tributária da Associação Brasileira da Advocacia Tributária (ABAT).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
25°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 27°

25° Sensação
6.69km/h Vento
38% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h43 Nascer do sol
05h43 Pôr do sol
Sex 28° 16°
Sáb 28° 15°
Dom 28° 15°
Seg 29° 15°
Ter 29° 15°
Atualizado às 15h07
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,37 -0,71%
Euro
R$ 5,77 -1,35%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,77%
Bitcoin
R$ 379,541,27 -2,25%
Ibovespa
119,990,62 pts 0.05%
Publicidade
Publicidade