16°C 29°C
Uberlândia, MG
Publicidade

Alerta! TCU e Simone Tebet defendem desvincular salário mínimo da Previdência

Tebet propõe que as correções sejam feitas considerando a inflação e mais um porcentual.

10/06/2024 às 14h32
Por: Ana Luzia Rodrigues
Compartilhe:
TCU e Simone Tebet / Imagem Jefferson Rudy/Agência Senado / wikipedia / montagem Jornal Contábil
TCU e Simone Tebet / Imagem Jefferson Rudy/Agência Senado / wikipedia / montagem Jornal Contábil

O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, sugeriu a desvinculação dos benefícios previdenciários do aumento do salário mínimo, apoiando-se em estudos que mostram aumento da desigualdade pela indexação. A discussão impacta diretamente aposentados de todo o país.

Na visão de Dantas, o Brasil precisa apostar na desvinculação dos benefícios previdenciários do aumento do salário mínimo. De acordo com ele, existem estudos que mostram um aumento da desigualdade pela indexação.

Esse também é o pensamento da Ministra do Planejamento Simone Tebet, que defende a desvinculação. Ela propõe  que as correções sejam feitas considerando a inflação e mais um porcentual.

A proposta de desvinculação enfrenta resistências dentro do próprio governo. "A Previdência Social, sob a tutela do PDT, que estou representando, jamais aceitará qualquer retirada de dinheiro. Arranjem outro, que comigo não passa", afirmou o ministro da Previdência Social, Carlos Lupi.

Mudança impactaria 39 milhões de pessoas

Na prática, isso significa acabar com o aumento real concedido todos os anos a esses benefícios e dar a eles o mesmo tratamento que já é dispensado às aposentadorias e pensões acima do piso: a correção apenas pela inflação.

De acordo com aliados do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, “é remota a chance de Lula dar aval à ideia”. Ainda de acordo com seus aliados, uma mudança que afete os benefícios sociais teria um forte impacto político, “especialmente entre os mais pobres, que constituem a base eleitoral do presidente e do PT”. Isso impactaria 39 milhões de beneficiários da Previdência Social.

O Regime Geral de Previdência Social – a cargo do INSS – é hoje o maior gasto do orçamento primário do governo (ou seja, sem contar os juros da dívida pública). Em 2023, ele consumiu R$ 899 bilhões, o equivalente a 42,3% das despesas primárias da União. E mais de 60% dos benefícios previdenciários correspondem ao salário mínimo – assim, sempre que ele tem aumento real, tais pagamentos sobem na mesma proporção.

Enquanto isso, BPC (pago a pessoas pobres idosas ou com deficiência), abono salarial e seguro-desemprego responderam no ano passado por 7,8% dos gastos primários, ou R$ 166 bilhões.

Tebet também avalia propor incorporar o Fundeb – o fundo da educação básica – ao piso de gastos em educação, outra medida que geraria economia de recursos.

Acabar com a vinculação, porém, seria uma iniciativa das mais impopulares. Antes de passar pela análise do Congresso, teria de superar o crivo do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu partido, o PT, desde sempre defensores de aumento das despesas sociais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Uberlândia, MG
25°
Tempo limpo

Mín. 16° Máx. 29°

24° Sensação
2.97km/h Vento
35% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h45 Nascer do sol
05h45 Pôr do sol
Qua 29° 17°
Qui 30° 16°
Sex 31° 16°
Sáb 32° 18°
Dom 32° 17°
Atualizado às 10h06
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,75%
Euro
R$ 5,81 +0,34%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,23%
Bitcoin
R$ 352,864,57 +2,59%
Ibovespa
122,470,23 pts -0.14%
Publicidade
Publicidade